- »

maio 16, 2011

O Ponto Final 1

A linha incandescente já se aproximava do fim do cigarro. Mano, por favor, vai embora..., pensei comigo mesma. Só que a Marina continuava lá, quieta e me olhando, com um carinho que eu não merecia, sentada na minha cama. Olhei rapidamente para a brasa próxima do filtro, numa última tragada, olhando-a acender e depois amassei o cigarro contra o parapeito da janela, joguando-o fora. Sem chance dela ir, né..., revirei os olhos amargurada e me conformei. Voltei-me de costas para a janela, apoiando de leve na parede, e encarei séria a Marina.

_Senta aqui... – ela pediu.

Cruzei os braços, na mesma hora, sem pensar muito – não. E aí me peguei observando-a, parada ali, me olhando de volta com o seu par de olhos castanhos bem-intencionados por detrás daqueles seus óculos pretinhos de aro fino. Não me movi, apenas a encarei por alguns segundos.

_Deixa de ser criança... – ela inclinou a cabeça, em desaprovação – ...larga a mão e vem logo aqui, meu.

Então respirei fundo, sem muita paciência, e descruzei os braços, alcançando o maço que tinha ficado na mesa ao lado da janela. Caminhei com ele e o isqueiro em mãos até a beira da cama – prevendo que aquela conversa ia ser longa –, a Marina se virou mais ainda para mim, e eu me sentei bem a contragosto ao seu lado. Por mais que – não raramente – ela colocasse os meus pensamentos e coração no lugar, tinha vezes que a única coisa que eu queria era não fazer sentido algum; por vezes sentia vontade de sair por aí, irracional, com as emoções desenfreadas. Doa a quem doer – e, via de regra, era a mim que doía. Mas tinha, ah se tinha, vezes em que eu não queria me importar. Que queria que machucasse, queria mesmo, queria sentir cada miligrama da confusão e que se foda. Olhei para a Marina à minha frente. Esta era, definitivamente, uma daquelas vezes.

_Fala, vai...
_Se comportar assim não vai ajudar e você sabe – ela se ofendeu pelo meu tom.
_Má, não tô afim de ouvir bronca.
_Não estou te dando bronca – ela me cortou –, mas você precisa querer ser ajudada. Meu... vamos conversar numa boa, custa? Você sabe que eu não gosto de te ver assim, eu quero você feliz.
_Mas eu tô feliz... eu não preciso de ajuda, meu.
_Vai começar de novo?! – ela me lançou aquele olhar de nem-me-vem-com-essa.

 Eu mereço mesmo, me larguei afundada no colchão e foquei os olhos no branco sem fim do teto. Aquilo já estava me cansando antes mesmo de começar. Aí ela desatou a tagarelar por quinze minutos sobre a vida e alternativas e como temos que fazer escolhas para nós mesmos e os pequenos passos diários. Aquele papo bem “Marina”. Eu continuava achando que ela estava exagerando, independente de quão mal eu me sentisse naquele momento.

_Você já pensou em talvez... sei lá... tentar se reaproximar do Fer?
_O quê?! – aí eu me surpreendi, ainda deitada.
_Ah, meu... Não sei, é que... Eu acho que isso está te fazendo mal, sabe, e você não fica bem aqui, no apartamento, dormindo no quarto do lado e... e esse rolo da Mia, ele... ele é mais difícil de resolver... Talvez... fosse uma solução, sabe... Você não acha? Hum?! Essa briga de vocês não tá te colocando para baixo?
_Está, mas... – argumentei, meio revoltada – ...mas não sou eu quem tem que se reaproximar! Por que eu que tenho que ir lá falar? Ele que foi um babaca, porra, ele que venha se desculpar e endireitar as coisas.
_Ah! Só ele foi um babaca?!
_Marina, não começa...
_Ué, do jeito que você fala parece até que ele não tinha motivo pra estar sendo babaca e que você é a santa da história aqui, não é...
_Eu não disse isso... – retruquei; respirando fundo por uns instantes – ...olha, numa boa, não sei como era pra isso estar me ajudando.
_Bom, você já parou pra pensar que talvez ele esteja sofrendo tanto quanto você? Hm?! Aposto que não pensou. Porque, jogando bem a real, foi ele quem acabou de perder a namorada...
_O quê, agora você... – sentei na cama e encarei-a, com desgosto – ...vai me dizer que, porque a Mia era mina dele, isso torna as coisas piores pro Fer? Piores do que já estão sendo pra mim?!?
_Não, não. Não foi isso que eu falei... – ela me corrigiu, séria.
_Bom, para sua informação, Marina, ele não “perdeu” a namorada. Ele jogou ela fora e não está nem aí, não dá a mínima. Porque ele poderia muito bem pegar a porcaria do telefone e resolver essa merda com a Mia de uma vez por todas, faria bem pra ele, faria bem pra ela, todo mundo ficaria feliz – exceto, talvez, eu –, mas não... ele tem que ignorar, vai e não atende metade das ligações, só grita com ela, só discute, fica tratando mal, fala que tá comendo fulana, diz que não quer mais ver, fica agindo como o maior estúpido do mundo e...
_E você não agiria?! – ela se irritou.
_O quê?! Eu, mano?!?
_É, meu. O Fer tomou o maior chifre e ainda teve que ouvir isso dos amigos, da namorada, pô. Qualquer um ficaria grosso, é tipo, o mínimo a se esperar.
_Ah, nem vem, Marina... Isso não justifica! Nossa, mano, não justifica mesmo... Você sabe muito bem que o Fernando já traiu a Mia! Por que ele pode ir lá, comer a ex a noite inteira, não contar porra nenhuma por meses e depois se achar no direito de estar injustiçado? Agora ele está moralmente ofendido, por um acaso?! Ah, cara, qual é... Na boa, isso me irrita.
_Até aí, meu bem, você me traiu com metade de São Paulo. Se eu tivesse contado que te traí tambpem, então, você teria ficado de boa? É isso que você quer dizer?! Se você tivesse descoberto na época, você não ia ter reação nenhuma?
_Espera. Como assim “contado”?! – indaguei, com um aperto súbito no peito – Má, você me traiu?!

12 comentários:

R. disse...

Cruel esse final de post mel haha, super perdi o foco de todo o resto que queria comentar :p

Mas voltando ao foco... Eu entendo a fm, tem hora que a gente quer sofrer, sei lá, medo de saber como será o real "ponto final"

'duuda disse...

meu deussss, até a marina entrando na jogada da traição
e a mia que nunca mais deu as caras por aqui? :~~~~
quero o proximoooo!! AAAAA

beijobeijobeijo

Amanda disse...

Ê LAIÁ, bem feito. A FM achando que a Marina é uma lerdinha corna sendo que ela também levou chifre, hahahaha. Ri demais aqui, adorei!
Eu quero a Marina pra mim, já cansei de falar. :(
É incrível como ela sempre sabe o que fazer e fala o que a FM precisa ouvir.

Gabizão disse...

Fem k, fem, Marina, SUA LINDA!

Ma disse...

Geeeeeeeen-te. Que isso, Marina? Tática pra amolecer a FM? hahahaha
Que isso, Marcella? Conversando com personagens? 8)
AMEI! Marina sooome, mas quando aparece é pra botar ordem na casa! HAHAH
Mas é bem sério isso aí da traição? Respostas logo, por favor! haha AINDA BEM que o seguinte sai logo menos! Quero dormir em paz! HAHAHA
Ótimo ótimo! Imenso!
Ai, pra ser melhor.. só distribuindo "Marinas" pra todo mundo, ok? Ok! :) hehe

;**

Anônimo disse...

Marina é foda! tadinha da FM..rs

Anônimo disse...

HAEUHAUEHAUH
ri muito com o final do post!

Ma disse...

eeeee Marina haha. Assim complica

Ianca' disse...

FM CHIFRUDA, PERDI O FOCO KKKKKKK

Monica disse...

mano


nao creio q elas gastaram esse tempo todo falando de amizade com o Fer

aff...rs

Marina disse...

não teve um que não pensou... "bem feito pra FM" e ainda deu uma risadinha maléfica hahahaha

Ludi disse...

Essa Marina existe.. pq se existir quero ela p mim ..rs