- »

junho 29, 2013

00:00:00

O silêncio estava me matando. A sala imóvel e apenas o movimento do meu corpo contra o sofá, numa respiração pesada e ansiosa. Foi quando a campainha tocou – o meu coração congelou. Eu não estava pronta. Não assim – desejei. Por mais conversas ou esperanças que eu tivesse mantido nas últimas semanas, eu nunca realmente achei que a Mia e o Fer viriam a terminar. Nunca, jamais. Não cogitei o – então – óbvio cenário de que em qualquer dado dia eles poderiam, de fato, conversar a respeito. Como namorados o fazem. E que ela poderia me escolher, se cansar afinal de enganá-lo. Agora tudo culminava no som daquela campainha tocando, forte – do outro lado da porta. Eu me levantei.

Puta merda. Os meus passos pareciam não ter fim. Parecia que quanto mais rápido o meu coração batia, mais o tempo se esticava. Uma eternidade e além. Todo o trajeto foi consumido por pensamentos agonizantes; eu relutava a encarar a verdade, a encará-lo. Até o último segundo. Era insuportável percorrer aquela distância. Conforme me aproximei da porta, o meu estômago tornou a se revirar e meu nervosismo voltou a transparecer, cada vez mais físico. O Fer tinha cada uma das mãos apoiada num batente, o corpo projetado para frente e a cabeça para baixo – estava de camiseta branca. Retirei o rosto de frente do olho mágico  e apoiei a testa por um instante contra a porta, respirando fundo, tentando controlar o meu estômago. Eu tremia. Virei a maçaneta e abri.

Os olhos dele me encontraram. E tão logo me viu, ao erguer a cabeça, ele se retraiu. Num impulso. Retirou os braços do batente e se virou, dando dois passou de volta no corredor, tentando recuperar o controle. As mãos cobriam o rosto. Quando se voltou novamente na minha direção, os seus olhos já começavam a avermelhar, inchados – segurando uma dor que eu não conseguia enfrentar. Teria rastejado ali mesmo, arrancado todo o meu orgulho do meu peito em carne viva. Por favor, imploraria, me perdoa. Mas antes que pudesse fazer qualquer coisa, ele caminhou direto para a porta e foi tornando-se mais irritado – “você falou com ela?”. Ele perguntou, sério. E não tive tempo de responder. O Fernando socou então a porta, com a lateral de uma das mãos, e repetiu, entrando brusco no apartamento – “VOCÊ FALOU COM ELA??”. 

_E-eu... Fer, eu m... – gaguejei.
_FALOU OU NÃO?? – ele estava possesso e dei alguns passos para trás, vendo-o perder a calma sem conseguir reagir – FALOU, PORRA??!? VOCÊ SABE POR QUE EU TÔ AQUI?!??
_Fer...
_ EU PERGUNTEI SE VOCÊ SABE, CARALHO!!!! SABE?!??!

“Sei”. Cedi então, num murmúrio covarde. E ele me encarou, quieto no instante que se seguiu à resposta. Os seus olhos lutavam contra o marejar, numa fúria violenta. Passava a mão, nervoso, na nuca e esfregou então o rosto. Para depois voltar a me olhar. E a gritar:

_Como você...? COMO VOCÊ PÔDE FAZER ISSO COMIGO?? – veio na minha direção e eu recuei – COMO?!?!? COMO VOCÊ FAZ ISSO?!?!?!? COMO VOCÊ FAZ ISSO COMIGO, CARALHO?!??!?! HEIN??!!?!? EU NÃO SIGNIFICO UM PUTO PRA VOCÊ?!?!?!?!? EU SOU SÓ UM PA... – empurrou uma das cadeiras da sala, nervoso – ...LHAÇO?!?!?! UM BABACA QUE VOCÊ PODE HUMILHAR, PASSAR POR CIMA?!?!?! NOSSA AMIZADE NÃO VALE BOSTA NENHUMA, PORRA?!?!?
_Fer, por favor, deixa eu conversar com você... – implorei, já prestes a chorar, tomada pela ansiedade acelerada – ...POR FAVOR.
_QUE... – a voz dele desafinou, berrando comigo – ...QUE MERDA VOCÊ PODE TER PRA FALAR?!?!? E-EU NÃO CONSIGO OLHAR NA SUA CARA – os seus olhos tornaram-se cada vez mais molhados e ele os continha com dificuldade, em cólera – VOCÊ  QUER QUE EU TE OUÇA, QUE EU FIQUE AQUI PARADO TE ESCUTANDO??!?!?! EU NÃO VIM CONVERSAR, PORRA!!!! EU NÃO TENHO NADA PRA FALAR COM VOCÊ!!
_Não... f-faz isso, e-eu...
_O QUE A GENTE VAI CONVERSAR?!?!?! – continuou na minha direção – HEIN?!?! O QUE EU TENHO QUE ESCUTAR?!?! O QUE EU TENHO QUE ESCUTAR?!?!?! QUE  PORCARIA A MAIS VOCÊ TEM PRA ME FALAR?!?!?! – as lágrimas começaram a escorrer no meu rosto, inertes – VOCÊ ACHA QUE EU QUERO OUVIR MAIS UMA PALAVRA DESSA MERDA?!?!?!!??! VOCÊ ACHA QUE É ALGUMA PIADA!?!?!? QUE EU VOU OUVIR E RIR NO FINAL?!?!? QUE EU VOU GOSTAR??! QUE EU QUERO ESCUTAR ESSA BOSTA?!?!?!
_Só... só m-me deixa, por favor, tentar te explicar... E-eu juro q...
_COMO VOCÊ PÔDE FAZER ISSO COMIGO?!??!? EU SOU SEU AMIGO!!!! EU SOU A MERDA DO SEU AMIGO, PORRA!!!!!!!
_NÃO!! VAMOS CONVERSAR, E-EU...
_AGORA, AGORA VOCÊ QUER CONVERSAR!! AGORA VOCÊ QUER FALAR COMIGO! PORRA... ISSO N-NÃO, NÃO TE OCORREU – apontou o dedo contra a testa, já berrando a plenos pulmões –, SEI LÁ, NOSSA, QUE TAL... ASSIM, ANTES?!?!?!?!?!?? HEIN??!? NÃO PASSOU PELA MERDA DA SUA CABEÇA??!?!? “HUM, ACABEI DE DAR EM CIMA DA MINA DO FER, SERÁ QUE EU DEVO FALAR ALGUMA COISA”?!??!??! OU “POXA, VAI VER O IMBECIL DO FERNANDO DESCOBRE QUE EU ESTOU PEGANDO A MIA PELAS COSTAS DELE E AÍ SERÁ QUE NÃO SERIA MELHOR EU CONTAR PRIMEIRO”?!?!? HEIN?!?!?!?!? SERÁ? “SERÁ QUE O MEU AMIGO DE MAIS DE DEZ ANOS MERECE UM CENTÉSIMO DO MEU RESPEITO?!?!?!??” HEIN?!? MEREÇO?!?! EU MEREÇO ALGUMA MERDA DE VOCÊ?!?!?!? – ele seguia em hipóteses, furioso, e eu o encarava aos prantos – “NOSSA! ACABEI DE COMER A NAMORADA DO MEU AMIGO... TALVEZ, SÓ TALVEZ, EU DEVESSE SENTAR COM ESSE TROUXA NO QUARTO DO LADO E FALAR A PORRA DA VERDADE”!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! HEIN?!!? NÃO TE OCORREU ISSO ANTES?!?!? NUNCA?!???!?? NUNCA??!? E VOCÊ ACHA QUE TEM ALGUMA COISA PRA CONVERSAR COMIGO AGORA?!?!!?

Eu chorava como uma criança, sem conseguir reagir. Sendo destruída – e internalizando uma a uma cada uma das suas palavras de repulsa à minha pessoa, por saber que ele tinha razão. Ele estava certo. E eu, eu nunca estive. Me obrigava então a ouvir agora, me forçava a aguentar calada tudo o que ele vomitasse na minha direção. E sentia as minhas entranhas se contorcerem em ânsia. O meu corpo todo estava instável, eu tremia. Vê-lo machucado desta forma me enfraquecia fisicamente – e eu me diminuía em espírito, desenfreada numa ladeira de autocomiseração. Me sentia um lixo. O pior de São Paulo. O ser mais indigno da sua amizade.

21 comentários:

Camyla disse...

:'(

Anônimo disse...

omg!! essa ultima fala do fer foi pra ACABAR!!!!!!!!!!!!!!!!!

Amanda disse...

tadinho do Fer ):
os caras ficam muito mal quando são trocados por uma menina

Pathy disse...

Eu não sei se choro com o Fer ou a FM.. Só sei que meu coração tá em pedaços :(

Bruna disse...

Bah.... que triste!
Mas era obvio que isso um dia teria que acontecer... q bosta!
=(

Anônimo disse...

:/

Juliana Melo disse...

Eu sempre soube que isso meio que ia acontecer um dia, desde que eu comecei a ler o blog (o que faz bastante tempo. rsrss), mas eu nunca parei pensar no lado do Fer dessa historia, nunca parei pra pensar que ele possa simplesmente nao perdoar a FM. Velho, a FM sempre se importou muito com o Fer, do jeito torto dela, mas ainda assim ela se importou. E agora? Como ela vai lidar com toda essa merda?

luanna disse...

acabada

Anônimo disse...

Mas gente ): #Chorando

Gabi disse...

é, era de se esperar uma reação dessas... a FM era a melhor amiga dele. Ele tá com toda a razão de gritar com ela e o caralho. Pra mim, a FM tem mais é que escutar bem quietinha mesmo.
Deu medo do Fer, mas adorei!!!

Diii disse...

Gente, o Fer tá transtornado. Sofrendo, coitado.
Enfim... Um tem q perder pro outro ganhar.

Espero q a FM não dê pra trás com a Mia.

Ianca' disse...

Não, porra :(

Anônimo disse...

para o que não tem remédio,remediável está..

Anônimo disse...

"pegar por trás das costas" não é o mesmo que "pela frente"? hahahah =)

Anônimo disse...

que sofrido, cara... que sofrido!

Anônimo disse...

cara, é uma situação muito foda. potencialmente imperdoável.

Anônimo disse...

Tô com um aperto no coração depois dessa :I

lu disse...

Muito bom, Mel!
Parabéns, excelente a forma como vc colocou a situação...

Acho q seria inevitável! :(

Q azar, né? Ser trocado por uma mulher, q ocorre ser sua melhor amiga? :(

( the girl fucking Mia ) disse...

Anônimo das 3:01, é! HAHAHAHA! Vou corrigir, sorry, eu estava com sono (:

É um problema com o inglês (go behind my back), é a mesma coisa quando eu falo "eu acabei de realizar que..." (realize something), hahahahaa!

Anônimo disse...

='(
Sei q era inevitável... mas da uma dor ver chegar esse momento...
Chorei c eles...
Vlw Mel..
(Mariana Curi)

Annie disse...

Genial os últimos títulos de posts! Contagem regressiva pra casa cair de vez.