- »

outubro 16, 2013

Os Receios

_Você acha que eu ando brigando mais do que o normal? – sussurrei para a Marina, apreensiva, conforme ela observava a nova tatuagem, finalizada, no espelho.
_Como assim?
_Ah, a Lê... – abaixei a cabeça – Os meus pais, o Gui. Sei lá. Não brigando, “brigando”, mas não sei. Tô com medo de estar virando aquelas velhas chatas, sabe?
_Flor, vou dizer isso com todo carinho do mundo: mas – ela sorriu – você sempre foi chata.

Eu comecei a rir. E a empurrei para o lado – tonta.

_E a Lê estava errada. Ela não deveria ter falado da Clara...
_É. Mas os... meus amigos, sabe, eles estão todos ficando do lado do Fer. Eu sinto isso! E, o que é pior, eu até entendo. Não quero ainda por cima ser uma babaca com quem restou. E, e se n-não sobrar ninguém?

É. E o receio não era pura paranoia. Não contara nada para ela, mas, mais cedo naquela semana, incomodada pelo silêncio “virtual” e cogitando que talvez os meus amigos tivessem realmente se afastado, enviei uma inbox para o Rafa Benatti. Estava no computador da produtora, não ouvia de ninguém há semanas. O chamei para ir tomar uma na Augusta, como quem não quer nada. E foi só quando cheguei em casa que recebi a uma resposta curta, que dizia – “ñ rola. ia ser mancada com o fer, meu... cê mandou mal. desculpa. se cuida!”. E foi então que se tornou oficial: as pessoas sabiam.

E o que quer que o Fernando estava falando de mim para elas, com certeza, não era bonito.

A Marina piscou para mim, ainda que não entendesse, como se dissesse “não se preocupa com isso”. Detrás dos seus óculos pretinhos. E eu sorri. De quem mais preciso se eu tenho você? A olhei no espelho então, admirada: “agora sim, hein... ficou gata, Má!”, disse, me referindo à nova tatuagem. O desenho tinha ficado realmente – realmente  deslumbrante nela! A Marina se virou na minha direção, agradecendo, e logo brincou – “vou contar para a Mia o que você anda dizendo para outras por aí...”, apontou o dedo para mim. E eu achei graça. Me dava um sentimento morno toda vez que percebia que a Mia – sim, a Mia – era minha garota agora, aos olhos dos outros.

Na saída, encontramos a Lê, que fumava um discretamente na calçada, e gastamos alguns minutos para decidir se íamos ou não fazer algo – ao passo que eu roubava umas tragadas do baseado dela. O sábado já escurecia. Solteira e animada – como demonstrado anteriormente, num claro desrespeito às minhas exs –, a Lê estava a fim de ir numa balada. Daquelas bem lésbicas. Já a Marina queria encontrar a Vivian num restaurante, em Santa Cecília. E isto é um ‘não’ coletivo, então?, pensei, observando-as falar sobre os planos da noite. Comecei a rir.

Acabou que não ficou nada decidido. Nos separamos e a Marina me deixou na esquina da Augusta com a Paulista. “Me liga se forem fazer algo...”, sorriu, antes de eu fechar a porta do seu carro. Teria me levado até em casa, chegou até a oferecer algumas vezes, mas eu recusei – poupando-a assim do trânsito das casas de strip da região. Desci a Augusta a pé. Estava ansiosa para chegar em casa: tinha horas de estúdio de tatuagem, acumuladas em adrenalina no meu corpo – como mera observadora passiva – para descontar no da Mia. Naquelas coxas, na forma como os seus olhos imploravam pela minha boca. Subindo no elevador, as minhas veias já gritavam, imprestáveis.

_Ei. O que você está fazendo aqui? – me surpreendi, então.

Lá estava ela, a Mia, entre o Du e o Gui e outros dois amigos deles, sentada no meu sofá assim que passei pela porta da frente. Minhas preces foram atendidas. Olhei as suas pernas de fora num par de shorts indiscreto – cacete. “Os meninos me deixaram entrar”, ela riu, entre eles.  Tinha na cabeça um chapéu do Du que eu vira largado pela casa dias antes. Eu juro que nunca vou me enjoar dessa garota. “Estávamos te esperando, piranha”, o Gui deu um gole da Absolut em sua mão. “É?”. A Mia consentiu com a cabeça: “eles querem ir no Estúdio Emme”, sorriu, “vamos?”.

_Posso falar com você um segundo? – pedi.

E fiz um gesto com a cabeça, para que ela me seguisse até o corredor. Nem a pau. A Mia se levantou e veio. Os garotos tagarelavam ao fundo. “Que foi?”. Hmm. A encostei vagarosamente contra a parede, aproximei o meu rosto do dela e sussurrei – “é que eu... tinha... outra ideia”. Ela achou graça, colocando os braços sobre os meus ombros. E me encarou – “você sabe que vamos ter que sair do apartamento algum dia, não?”. “Sei. Mas hoje não”. “Hoje temos companhia...”. “Eu te faço companhia”, sorri para ela. A Mia apoiou a cabeça contra a parede e me puxou para perto dela, num beijo, mordendo o meu lábio lentamente.

_Eu quero ficar com aquela vodka primeiro... – brincou e pensei, vai se foder – ...depois quero você.

E concordar foi, claro, uma péssima ideia.

18 comentários:

Anônimo disse...

certo que vão acabar saindo kkkkk

Anônimo disse...

Tou louca pelo momento em que terão que enfrentar juntas o Fer por ai... aiaiai...
Já ansiosa pelo próximo post, com vodka FM e Mia... aaahhhhh!rs

Manuella Oliveira disse...

Só a Mel pra conseguir nos fazer sentir como se estivéssemos vivendo a cena, mal posso esperar pelo próximo! *-*

coxiba disse...

vodka e insinuações sexuais ...bela combinação rsrs

Anônimo disse...

aaaaaaah *_* poste logo, comentaremos em todos!

Anônimo disse...

Uma Marina pra chamar de: minha <3

Anônimo disse...

Eu adoro os meninos *-* e a nova fase da Mia!!

Anônimo disse...

Mia Mia Mia eu nunca vou enjoar de você, uhuu esperei tanto (drama) por esses momentos ehuehue

Anônimo disse...

Aah Melissa! Cê colocou o Santa Cecilia no post. Meu bairro paulistano preferido! <333

Anônimo disse...

Tendo Marina e Mia, quem precisa de outros?

Glaucia disse...

correndo, correndo, tropeçando, caindo.. mas lendo o blog, do chão é claro...

Anônimo disse...

uma mia na minha vida, por favor

Thays disse...

aiai Mia <3

Ana disse...

nada melhor do que vodka e um belo par de pernas, rsrs

Pathy disse...

Essa combinação Vodka + Mia não vai dar certo, no sentido mais imprestável da coisa! <3

P.S.: Eu amo quando os viados aparacem, morro de rir. HAHAHAHA <3

Anônimo disse...

quero confusããããao!!!! =DDDD

Anônimo disse...

Ai, podiam ficar em casa... O próximo post seria deliciosamente bom.

Juliana Nadu disse...

huuuuuuuuuuuuummmmm que deliciaaaaa!! hahaha Ow esse estudio emme é aquele que fica em pinheiros? que tem um "M" de simbolo?? Eu o conheci a sabado passado é foda aquele lugar!!