- »

dezembro 07, 2013

O Zôo

Nós rimos. E não demorou muito até que a mesa toda já tivesse notado a dinâmica entre nós. As duas bestas, pré-adolescentes, isto é. Com aqueles sorrisos bobos. Ergui os braços, ajeitando o cabelo. O prendia num rabo-de-cavalo feito de qualquer jeito, com um elástico que tinha no pulso – está quente aqui, não? –, quando olhei de relance para o Caio, à minha frente. E notei que nos observava. Ele tinha um riso involuntário no rosto e o corpo virado para o cara ao seu lado, como se ambos conversassem até um segundo antes. De um assunto nós qualquer.

Mantive a minha calma, lhe devolvendo a atenção. Ele sabia. E não era surpresa – soube que eu pegava mulher desde o instante em que eu abrira a boca, fosse pelo meu jeito de interagir com os moleques ou pela filosofia tosca catalã sobre tetas que eu proferira minutos antes. Mas a Mia, não. Esta era uma constatação mais concreta e talvez menos óbvia. Mais recente. Peguei um cigarro do maço que estava sobre a mesa, alcançando o isqueiro mais adiante. E encostei no braço da Mia, com as costas da minha mão: “eu vou fumar, cê quer vir?”. O lanche dela tinha acabado de chegar na mesa.

_Vai você – ela tocou em mim, no meu ombro, em intimidade –, vou comer primeiro.
_Tá... Já venho!

Levantei. E a esta altura, os olhos ao redor estavam mais arregalados. Todos os nossos movimentos – por mais sutis que fossem, de repente – pareciam analisados. Eu me divertia, se a Mia não liga... Fui até o lado de fora, acendendo o cigarro. Com o filtro na boca e aquilo na cabeça. Traguei duas vezes consecutivas. Me perguntava se o Fernando chegara a ser amigo deles; ou qual era o seu nível de envolvimento com os amigos da Mia. O quão estranha deve ser a minha presença? Meio que ri, sozinha. Chequei rapidamente o celular, vendo o horário, e já se passavam mais de dez minutos além do meu tempo de almoço. Precisava voltar. Hum. Com sorte, acho que consigo esticar uma meia hora sem ser percebida. Mas sabia que não muito mais do que isso.

_Posso te pedir um? – a colega da Mia apareceu do meu lado, na calçada.

Não a antipática, era a outra. Chamava-se Raíssa. Coloquei o filtro de volta à boca, sem lhe responder diretamente, e tateei os meus bolsos. Nada. Então murmurei, com os lábios ainda ocupados – “foi mal, acho que deixei o maço lá dentro”. Tinha ficado em cima da mesa. Eu só havia trazido o isqueiro comigo. “Tudo bem”. Ela sorriu e deu de ombros. E encostou ao meu lado, literalmente tocando o seu braço no meu; com as costas apoiadas na parede do bar.

_Meu, vocês vão ser o assunto do resto da semana, pode ter certeza...
_Ah, é? – traguei, sem dar muita bola, e lhe ofereci o cigarro com a mão direita, conforme soltava a fumaça – E por quê, exatamente?
_Ah – ela riu –, vai, tá muito na cara...

Aceitou. Colocando-o na boca, enquanto olhava para o movimento das rodinhas de alunos à nossa frente. Usava um vestido marinho, desses de verão. Devolveu o cigarro e me olhou. Tinha talvez uns dois anos a menos que eu e o cabelo tingido de vermelho, cortado três dedos abaixo da orelha. Jeito de menina fresca, mas desinibida. Então virou o corpo na minha direção, apoiando o ombro na parede. E encostou a mão no meu braço, retomando o assunto, numa quantidade desconfortável de contato físico.

_E você? – se insinuava, de forma quase inconsciente, para mim – Você é assumida faz tempo? Os seus pais sabem?
_Sabem. Faz tipo sete, oito anos...
_E eles não acham ruim? – sorriu.
_Não. É de boa...
_Hum. Mas você não parece... – comeu a palavra, sugerindo apenas com os olhos – ...sabe? – e riu – Quer dizer, parece. Claro! – decida-se, por favor – Mas não do jeito que a gente acha que... tipo, entende?

Não. Explica.

_Tem jeito certo de ser sapatão, então? – eu comentei, tirando um leve sarro, e ri.
_Ah, não... Mas você sabe... – ela sorriu, como se nunca tivesse visto uma de mim na vida – Você é bonita e tal, sei lá. Diferente.

“Certo”, respondi, olhando para o lado oposto. A comunidade lésbica agradece. Àquela altura, acho que a minha sexualidade já tinha sido mais ofendida em um único mês, desde que me assumira com a Mia, do que em todo resto da minha vida. Pela mãe dela. Pela minha. Pelo Fer. E agora pelas amigas da Mia, aparentemente. Eu me divertia.

_Suas tatuagens são o máximo... – ela correu a mão pelas rosas no meu braço – Tipo, eu super sairia com alguém como você – roubou o cigarro dentre os meus dedos, levando-o à boca, levemente provocativa.
_Sei.
_Isso é, se eu fosse, claro...

É. Claro. Me segurei para não achar graça. E quis revirar os olhos. Existia esse fenômeno bizarro que afetava as mulheres heterossexuais, em que algumas garotas precisavam se validar pela atração que pessoas do mesmo sexo sentiam por elas. Era até engraçado – e completamente inconsciente. Bastava surgir uma caminhoneira no rolê para começarem a flertar. E dizer todo tipo de loucura-levemente-lésbica que já cometeram. Ou estariam dispostas a cometer. Não era real. 

Eu nunca vi uma lésbica fazer isso com um cara hétero. Eu certamente nunca o fizera. E era algo muito diferente do que eu e a Mia vivêramos quando nos conhecemos. A Lê, com o seu moicano e jeito de menino, colecionava esse tipo de atenção. Iam testando até ver se arrancavam uma reação dela. Ainda que nenhuma tivesse qualquer intenção real de encarar um par de pernas abertas a três centímetros de suas bocas.

_Enfim – fiz um sinal para que ficasse com o cigarro –, eu vou voltar lá com a Mia...

19 comentários:

Anônimo disse...

MA RA VI LHO SO HAHAHAHA <3 mais posts assim, nessa vibe boa! adorei.

Anônimo disse...

Kkkkkkkkkk mano acontece direto cmg, da mt raiva !!!

Anônimo disse...

Ahhhhhhhhhhhh como ñ se apaixonar por essa FM voltando pra mia?? É maravilhosa a transformação dela. Quero mais! <33

Anônimo disse...

Que mina folgada! Hahaha!

Anônimo disse...

Essa ultima fala... hahahaha
Foi um não/fora pra guria? Uma direta que ela ta mesmo com a Mia?! O.o
F.m linda como sempre! ♥

Anônimo disse...

caraaaaaa, é isso!!! é bem isso, mesmo! acho que rola uma coisa de ego gigante, que precisa ser inflado por quem quer que seja. nunca achei que ela realmente me quisesse, mas faz questão de encostar, de pedir pra conferir se a bunda dela ta aparecendo no vestido curto, de dizer que se eu me desculpar mais uma vez por ter virado sem querer a cerveja nas coxas dela, vai mandar eu limpar com a língua(!!!). essas malditas querem testar nossas reações, querem saber se "as pegaríamos". afff, essa, em especial, é o maior castigo e prazer. eu não consigo me decidir se detesto ou se adoro esse tipo de coisa que ela faz... é duro, viu?!

bom post, me fez refletir como esse fenômeno é algo mais geral do que eu imaginava. E amei a FM esnobando a amiga oferecida. hahaha.

Anônimo disse...

Mia e suas amigas fura-olho. Já teve outro que deu mole pra FM, não teve?

( the girl fucking Mia ) disse...

Haha, não. Teve uma que a FM pegou, mas em defesa da amiga ela não iniciou (foi a FM) e ela não sabia delas duas, rs. Lembra?

Obrigada pelos comentários lindos, meninas! ;)

Anônimo disse...

Ah é, verdade! Foi mesmo, só pra provocar a Mia. Mas Mel, vc é foda, tem q defender TODAS as personagens do blog, até as periféricas? hahahaha.

Anônimo disse...

"O Zôo" --> só tem vaca!

hahahahahahahaha

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk O melhor é o título!!!!

( the girl fucking Mia ) disse...

Obrigada <3

A ideia do título é criticar o espetáculo "gay". A forma como a sociedade com freqüência trata os LGBTs como se fossem animais exóticos, hahaha. Ficam nos assistindo (amigos da Mia) ou querendo interagir como se nunca tivessem visto um na vida (amiga da Mia). Don't feed the animals! Hahahaha!

( the girl fucking Mia ) disse...

Affe. Meu celular publicou o comentário antes de eu terminar. Só faltou dizer: muito obrigada, suas lindas, por participarem aqui! :)

(E à anônima de aaantes, sim, defendo todo mundo! Hahaha! Não existem pessoas más na história, à exceção talvez só da Bia, não consigo defender quem é escrota com a Marina!! Hahahahahahahahaha)

Anônimo disse...

Hahahahahahahaha. Lógico que não, porra! MARINA <3

Anônimo disse...

Eu amo seus titulos!! :)

Anônimo disse...

Ei Mel nao defenderia a Bia? ;/ troca o nome dela ai, que triste, vei... As Beatriz sao geralmente tao fofas ow uaauahiaishi
Mas sim a Bia ai foi escrota. ^^"

Gabs disse...

"Ainda que nenhuma tivesse qualquer intenção real de encarar um par de pernas abertas a três centímetros de suas bocas."
HAHAHA, Ai adorei.

Cris FSantana disse...

Ri demais xD
Ela é ótima :D

Juliana Nadu disse...

Eu já tive essa experiência de ser a atração do "Zôo", mas ao contrario dessa da FM a gente chegou aos finalmente. E ficou bem evidente essa coisa de a mina não ter pensado antes que poderia "estar a encarar uma mina de pernas abertas" hahahahaahaha a prova cabal de que fui uma experiencia foi quando ela disse: " Eu só estava curiosa, e muuuuuuuuuuito curiosa" aaaaaaaaaff #fdpescrota