- »

janeiro 25, 2014

A Inconveniência

Comemos adiante na Augusta, no tal Rock ‘n’ Roll Burguer. E insatisfeita com a sobriedade amontoada naquelas calorias, a Mia propôs que parássemos num boteco antes de voltar para casa. Tomamos duas doses cada. De rum. E as garotas tomaram apenas uma. Mal passavam das três – ainda cedo na madrugada de São Paulo –; as pessoas brotavam dos bueiros da Peixoto Gomide, numa sujeira humana e alcoolizada. As ruas lotadas.

Ao passarmos pela esquina com a Alôca, encontrei dois amigos que já não via há algum tempo. E que agora – aparentemente – estavam juntos. Ou algo assim. O Filipe era uma bicha de 1.80, gato e ativista LGBT, porraloucapracaralho, que tinha suas mãos metidas no bolso de trás do jeans do Breno, um amigo já há anos nosso, charmoso, não fossem os dentes amarelados, cujo cabelo enrolava numas pontas selvagens e bagunçadas. Estavam descamisados. E sorriam à toa. Conversamos por uns dez minutos, em pé na calçada, e eu aproveitei para roubar um goles largos da vodka que eles tinham em mãos. 

Quando a Mia retornou da fila – foi comprar cigarros no boteco lotado ao lado –, eu me despedi dos dois. Ela passou o maço para mim e encontramos com a Marina mais adiante, já rua abaixo. Na própria Frei Caneca.  Acendi o cigarro e segurei a mão da Mia, conforme descíamos. Traguei duas vezes antes de dividir. A Vivian trançava os pés no asfalto, arrependida daquela última dose, provavelmente. E a Marina se divertia, saltitando em cima dela, também bêbada. Sequer acendemos as luzes. Quando chegamos no meu apê, as duas se largaram no sofá e dispensaram os lençóis. “Certeza que cês não querem que eu pegue?”. Sem resposta. Eu e a Mia seguimos para a cozinha, no escuro, e eu peguei uma garrafa de Bacardi já aberta na geladeira. Uma luz fraca entrava pelo vitrô – a Mia sentou sobre a pia, estava bonita.     

_Hum. Eu tenho uma pergunta... – cochichei, me aproximando, e sorri antes de tomar um gole no gargalo – ...você acha que elas estão capotadas lá ou se pegando?
_Bom... – a Mia zombou, tomando o rum dos meus dedos – ...ou isso, ou gorfando no banheiro, não é... – bebeu.
_Provavelmente a terceira opção... – eu ri.
_Meu, você precisa trocar de amigos...
_É. De fato, eles costumavam aguentar mais o tranco.

Nos entreolhamos, achando graça. Bêbadas como um par de gambás. Cacete. Ver a Mia sorrir me tomava todas terminações nervosas do corpo, num só arrepio; não importava o quão consciente eu estivesse. Ou o contrário. Coloquei o meu corpo entre as suas pernas. Inebriada. Elas estavam descobertas, em um shorts emprestado. Havia largado os meus tênis perto da geladeira, pisando agora de meias, sobre o piso frio. Beijei o seu colo. Pouco acima da gola em sua regata, à esquerda. O seu ombro estava na altura do meu rosto. Observei a forma com a luz a tocava a pele, sentada ali na pia; os seus dedos envolviam a Bacardi de vidro, apoiando-o sutilmente sobre as coxas.

_E-eu... Tenho uma pergunta para você, também... – ela deu mais um gole, me olhando detrás da garrafa.
_Hum.

Me entregou o rum. Hesitando por um instante, ao observar a minha reação. “Fala”, a encorajei. Rindo. E ela abaixou a cabeça, encarando as próprias mãos. Agora vazias. Só então murmurou: “Você sente... falta dele?”. Soltou no ar, como se o assunto fosse iminente. Suspirei. O Fer. Incomparável a Marinas e Vivians e Brenos e Filipes. Ah – ele, sim, sabia beber. Tentei rastrear de onde vinha o assunto, surpresa com a pergunta.

_Não vamos falar sobre isso... – sorri e lhe pedi, passando a mão na sua perna.
_Sente? – ela insistiu, mesmo que já soubesse a resposta e eu intervi.
_Você sabe que sim.

As luzes da cozinha estavam apagadas e a sua voz, baixa. Em introversão.

_E v-você me culpa? – sussurrou, por que estamos falando disso, garota? – Pelo que aconteceu...
_Como assim “te culpo”?
_Por... sei lá. Pela briga. P-por tirar ele da sua vida.

Claro que não. A olhei de volta. E me inquietou o fato da Mia sequer cogitar isso. Deixei o rum sobre a pia. Ao seu lado. E subi as minhas mãos pelas suas coxas, segurando-a na cintura. Lhe assegurei:

_Você não tem culpa de nada, Mia. As coisas só aconteceram, porra. Eu nunca ia te ressentir, não por isso. Eu gosto de estar com você – de novo: por que esse assunto?! –. A minha briga com o Fer tem a ver com como ele reagiu, a tudo isso; com como eu decidi levar o meu relacionamento com você...
_É. M-mas fui eu que contei. Até eu chegar, vocês...
_Cara, nem começa. Nem entra nessa brisa – a interrompi –, que não é assim. N-não é como se... – suspirei; procurava na minha cabeça, sem saber o que falar – Eu... Tipo, eu sinto falta dele. Não vou dizer que não sinto, porque sinto. E é difícil. Pra caralho. Eu conheço o Fer há mais de dez anos, é lógico que eu penso nele, a gente já viveu muita coisa junto. Mas é uma parada que eu vou ter que me acostumar, meu. Eu não acho que é culpa sua.
_Mas você não se arrepende? – lamentou – Nem às vezes?
_Não, meu... Larga mão de ser besta. E outra, eu vou acabar me acertando com ele. De um jeito ou de outro. O Fer vai ter que entender, meu; nem que eu force o bagulho – sorri –. Eu me recuso a viver brigada com ele.
_Hum... – ela sorriu, ainda desanimada – Bom. Eu também sinto falta dele.

Sente? E por que? Por que mesmo estamos falando disso?!

_Assim... Não c-como... – ela se afobou, tentando não causar a impressão errada – ...como se eu quisesse voltar, nem nada disso; eu só, sei lá... penso nele, às vezes. Aqui, no apê. Ou com o Du. Na Augusta, não sei. Às vezes sinto vontade de trombar com ele, de saber como ele tá...
_Eu sei. Eu sinto a mesma coisa, ainda que... – achei graça – ...provavelmente não fosse ser muito agradável, se acontecesse mesmo.
_É. Provavelmente não – ela arqueou as sobrancelhas, rindo.  
_Meu. A gente pode, por favor, mudar de assunto? Eu tô ficando sóbria já...
_Ah. Isso eu duvido... – ela pegou a garrafa ao seu lado e tomou um gole, me olhando.
_Duvida?!

Me diverti. De fato – eu tinha bebido demais para a minha cabeça sequer cogitar parar de girar. Senti de repente como se estivéssemos há horas ali, na cozinha. Quando, na realidade, faziam apenas alguns minutos. O restante das luzes também estava desligado, na casa toda. Toquei na mão da Mia, como se a chamasse para ir para o quarto. E ela desceu da pia, me seguindo e deixando o rum para trás. Os nossos olhos já estavam acostumados com o escuro. “Você largou a garrafa?”, sussurrei indignada, ao notar. E ela riu. Deu alguns passos para trás, voltando para pegar.

_Não! Volta... Volta... – ela vinha com a garrafa nas mãos e eu a fazia virar de novo, às pressas, a afastando do corredor – Volta...
_O que aconteceu? – ela sussurrou, sem entender.
_Eu vi um movimento na sala. Acho que elas estão se comendo.
_Sério isso?! – a Mia começou a rir.
_Shhh! – eu me segurava para não rir também – Não faz barulho!
_Não. Eu quero ver...  

A segurei pelo braço, o que diabos você tá fazendo? Ela se aproximou da porta, que dava no corredor. “Cê tá louca?”, murmurei, ainda rindo, “vem pra cá”. “Que que tem?”. “A gente não pode sair agora!”. “E o seu plano é ficar a noite toda aqui?”. Eu ria, sem argumentos. Ela fez de novo que ia naquela direção. “Pára, meu”, tentava manter o silêncio, ambas atrapalhadas no escuro, “a Má vai ficar constrangida se perceber que a gente viu”. “Mas elas tavam no sofá?”. “É”, acenei, “a gente tem que sair abaixada”. “Pra quê? Elas sabem que a gente tá aqui, a gente tava conversando até agora...”. “Eu não acho que elas conseguem ouvir da sala...”. “Então”, a Mia brincou, bêbada, “é de propósito”. “Não é de propósito!”. “Vamos só dar uma olhada”. “Pra quê você quer ver?”, murmurei. “E por que não?”. “Volta aqui!”.

20 comentários:

Anônimo disse...

Tesão <3

Anônimo disse...

devia ter uma enquete aqui pra ver quantas garotas ja se tocaram enquanto liam uma cena quente da fm com a mia (eu já)

Anônimo disse...

Eu, em toda minha inocencia, nao sei o que esperar do proximo post. Mas algo me diz que a Mia está querendo coisas... <3

Anônimo disse...

Eu já +1

Quem diria essa Marina safadjenha e bebinha hehe. E o clima gostoso entre a FM e a Mia hmm, tirando a torta de climao com o assunto do Fer

Deliciosamente como sempre, cada vez melhor ein Mel

Anônimo disse...

Ai... elas tem que começar a se pegar na cozinha. E ir se pegando pro quarto.. mas parar na sala e a mia falar alguna coisa. E se elas tiver se pegando na sala. Fingi que nada é nada e ir se aproximando pra ver o que da.
Eu ia curti ver as 4 se pegando.

Ianca' disse...

kkkkkkkkkkkkk que graça. Eu tb iria querer ver, não vou nem mentir.

Pathy disse...

Torta de climão, mas eu gostei do papo sobre o Fer! Elas parecem mais leves em relação a isso ou eu tô "vendo" demais?!
Gente, vcs estão assanhadas em anonimas?! Hahahaha
Mia safadinha, já quer suruba! Embora eu tenha um receio da FM com a Má :/

Anônimo disse...

Eu já +2

Como eu amo essas duas

Anônimo disse...

Mia levou a sério o lance da suruba? HAHAH

Anônimo disse...

Não sabia que tinham tantas anônimas siririqueiras por conta do blog, mas gent :0

Anônimo disse...

Kkkkkkkkk rindo aqui da Mia.. Mas aí, eu ia ficar curiosa mas nao ia ver...
Aiai ja estou ansiosa por mais posts. ♡

Anônimo disse...

nunca ~me toquei~ lendo o blog. muito menos acho que esse post tenha potencial pra isso, hahahaha. cês tão que tão, heim, novinhas!

até que enfim elas falaram do fer, ainda que bêbadas... aliás, puta merda, como elas bebem! geral pro rehab, jáááá!

Anônimo disse...

deu até vontade de ir nessas baladas de sp, que não vou há anos!! adorei, quero ver logo o que vem em seguida..

Anônimo disse...

adorei a marina haha.
Tava viajando pelos tumblrs antes de ler e achei isso:

http://idealizable.tumblr.com/post/74834822369

olha se não é a coisa mais FM do mundo? hahaha
beijo, meninas (:

Anônimo disse...

Como faço pra namorar a Lívia Dias? Ela está comprometida? :3

Anônimo disse...

mas geeeeeeeente, hahahaha. sacanagem, roubaram meu flerte na cara de pau, mel. hahahaha. xatiada.

Anônimo disse...

um post, por favor?

Anônimo disse...

Estou em abstinencia dona Mel...dez dias sem post! Please?

Juliana Nadu disse...

Uuuuuuiiiiii aiii sim ehm!!! Rsrs

Juliana Nadu disse...

Ps: Aiii a Mua é tão safada!!adoro isso nela!! Kkkkkkk