- »

janeiro 11, 2014

As brasas e uns filtros

_Estava, sim... – a Mia riu.
_Não estava, caralho. Você acha que eu ia dar em cima de você na frente do Fer e do Benatti, mano?! Tá louca?? Isso é coisa da sua cabeça.
_Nada disso – ela tragou e balançou a cabeça, fumando ao meu lado conforme subíamos a Vergueiro –. Eu me lembro perfeitamente desse dia, cara. Você tava alucinada, ficou me olhando por dez minutos direto na pista, meu; você que estava bêbada e não lembra...
_Eu não estava tão bêbada aquela vez.
_Estava, sim... – ela riu, de novo.

Íamos a esmo na direção do Paraíso. Chegávamos já na altura da estação, sem perceber que nos afastávamos consideravelmente do Centro Cultural. A Marina ia me matar. Levei o filtro à boca, observando a Mia equilibrar-se pé atrás do outro no meio-fio. As suas costas desenhadas revelavam-se por debaixo da regata. Estava linda. Insistia que eu a tinha xavecado em uma noite séculos antes, quando fomos no Vegas acompanhadas do Fer e do Rafael. A noite se desdobrava de forma leve. Toda a discussão começara porque sondávamos o que fazer naquela sexta, quando as garotas deixassem a peça, e eu mencionara – com saudosismo – as baladas de sexta do falecido Vegas.

_Meu, você tem que lembrar! A gente se cruzou no banheiro, porra... Como você não lembra?
_Você sonhou com isso... – eu me divertia, soltando no ar a fumaça.
_EU NÃO SONHEI! Você que não lembra, mano... – ela riu, indignada – E outra, você acabou de dizer que sabe que dia foi. Claro que lembra!
_Ah! Do dia eu lembro; só de encher a lata e ficar te encarando na frente dos moleques, de trombar com você no banheiro, isso não.
_Eu tava saindo e você entrando – explicou –, olhou direto na minha cara. COMO NÃO, MEU? Você tem que lembrar! Eu tinha certeza que você tinha ido atrás de mim no banheiro. Certeza absoluta! E eu, idiota, voltei para a pista... – riu, dando um passo calçada adentro e deixando o meio-fio – Meu, como assim... Tô inconformada. Eu fiquei remoendo essa droga dessa noite por meses e você me diz que não se lembra??
_Você tá louca, cara. Não aconteceu nada disso – eu ria.
_Aconteceu, sim!
_E mais, eu não sei nem por que você lembra dessas coisas... Eu tenho certeza que já fiquei te encarando um monte de outras ve...
_Não! Mas é que... – ela me interrompeu e eu traguei mais uma vez, olhando-a de perto, achando-a maravilhosa; bati as cinzas de qualquer jeito no ar e a observei gesticular, revoltada – ...meu, esse dia foi muito, muito, argh, não sei explicar! Você tava me comendo com os olhos, porra. Foi muito além do normal. Eu tava ficando louca e o Fer lá, do lado. E você não fazia nada!! Que ódio! No banheiro eu tive certeza que ia rolar alguma coisa...
_Rolar o quê? O que eu possivelmente poderia fazer? – aumentei o tom de voz, ainda rindo – Mano, o banheiro do Vegas era puta várzea! Não dava pra fazer nada ali!
_Sei lá, ué! Você que me seguiu até lá...
_Eu não segui. Meu, pára, isso não aconteceu – insisti –. Na boa, se aconteceu, foi muito sem querer...
_Não foi sem querer! Como sem querer?? Quando eu saí da cabine, você tava apoiada na pia. Lá! Na minha cara! Com a droga daquele s-seu... jeito! Você acha que foi ACIDENTAL?! Não foi. Tenho certeza que não foi.
_Mas você estava como? Estava levando numa boa?
_“Numa boa”?
_Ah, sei lá. Você ficou brava? Porque sabe, né, para você ficar brava comigo naquela época bastavam dois segundos... – brinquei e ela me bateu no braço, em reação, bem de leve.
_Idiota. Claro que não.  
_Hum. Então você estava gostando...
_Besta – revirou os olhos, rindo.
_Estava...
_Cala a boca, meu. Você se acha!
_Ah! Estava lá, toda secretamente querendo que eu te desse um beijo, né? Pode falar – eu brincava, já terminando o meu cigarro.
_Estava, sim... – ela sorriu, arqueando a sobrancelha brevemente.

Pareceu, todavia, que tinha mais a dizer. Esperta. Seguiu andando como se encerrasse o assunto; agora um pouco à minha frente. Eu joguei a minha bituca no chão e ergui o queixo na sua direção, falando alto para que me ouvisse, dada a crescente distância entre nós. “E só isso?”, perguntei. E ela se virou. Os seus cabelos entraram de leve no seu rosto, empurrados pela brisa que soprava, resultado da proximidade com a Paulista. Deu ainda uns dois passos na direção que íamos, agora caminhando de costas. E eu insisti: “Não queria mais nada? Hein?”.

Parecia. “Talvez”, ela sorriu e parou de caminhar, de modo que os meus pés chegaram onde estavam os seus. Naturalmente. Colocou as mãos ao redor do meu pescoço, ainda com o seu cigarro aceso. “Talvez?” – repeti, rindo. E busquei a sua cintura com as minhas mãos, por vez, como num reflexo. Eu me divertia. Já ela me olhava com certo constrangimento. Arrependida de ter insinuado mais. “Você sabe como eu me sentia com relação a você”, disse. “Ah, é. Como?”, a provoquei. Eu a olhava fixamente e ela achava graça.

_Como se você nunca tivesse pensando em mim...
_O tempo todo – sorri, indignada – Mas responde a minha pergunta.
_Ah! Eu quis que... – ela suspirou, por um instante, rindo da minha cara de pau.
_Fala! – insisti; divide a minha cama e agora vem dar uma de inibida.
_Sei lá. Eu estava bêbada também. Eu meio que fiquei... obcecada, por um tempo... com essa imagem de você...
_Hum...
_Me fechando de volta na cabine e... colocando a sua mão por baixo do meu vestido. Mas você não fez.
_Te comendo?
_É.
_Bom – eu ria dos seus olhos apertados, em indignação e vergonha na minha direção –, mas isso é fácil de resolver, gata.
_Meu. Você realmente não lembra?! – ela achava graça, como se tivesse ficado com aquele dia por meses na memória – De ir atrás de mim? De cruzar comigo, nada??
_Não...

Ri. Sinceramente, sem qualquer lembrança de tê-la provocado no Vegas. Não que eu me recordasse de como cheguei em casa aquele dia – o que tornava plausível eu não estar completamente lúcida em outros momentos da balada. “Meu, cade vcs???” – o meu celular vibrou com um SMS da Marina, revoltada.

13 comentários:

Liv disse...

E ai, no fim das contas rolou mesmo?

( the girl fucking Mia ) disse...

A imagem final não, foi só vontade da Mia, rs. ;)

Anônimo disse...

Aiiiiii. Agora elaas TEEEEM q ir pra balada!!! (6)

Anônimo disse...

Ai coisa linda,quanto mais minha,exibida,exposta tô amando.Que amor ♡♡

Anônimo disse...

Essas duas me matam <3 e Marina pra atrapalhar affs! Tão bonitinho a Mia toda quase falante,quero muito mais.. GO MEL!!!!

Anônimo disse...

To com saudade da Clara, como se ela fosse real.

Anônimo disse...

Acho mt lindo como a relacao delas evoluiu.... =))

Anônimo disse...

acho sensacional quando tem os relatos da Mia,saber o que tava se passando na cabeça dela,o processo de transição pra ela deve ter sido perturbador..pelo menos pra mim foi,não entendia nada do que tava acontecendo quando me apaixonei pela primeira vez por uma garota..Tão bom ver as duas juntas finalmente.Amei o post Melzita :*

Karla disse...

Cara,é isso mesmo! Velho ver toda evolução da Mia,como ela passou todo esse turbilhão de emoções...o lance todo com Fernando,a sentimento da F.M que no principio ela não acreditava no quão forte era,pô meu é complicado descontruir tudo e se arriscar nesse loucura toda,entendo a Mia e espero que tudo fluia otimamente entre elas ♡♡

Júlio disse...

Tá certo concordo com vcs meninas,mas porra e o cara mano?Karla ontem falamos sobre esse banjo tá ligada?! Tu tem a mina como irmã e ela vai e tá com ex dele,tô ligado do sentimento das duas ...putz é desconcertante prum cara perder a melhor amiga,parceira mesmo e no combo a namorada,sem tirar a moral dele, a sociedade é machista e egocentrica,imagina o que ele tem que engolir seco,noutro post vi geral martelando ele,que ele tava fazendo drama sapatao em mandar a msgm.Na boa se fosse cmg eu fugia,catava outra mina ele foi na raça ainda discutir com F.M no dia do briga toda, e ainda tá queto,quero só ver quand ele embucetar e aparecer,ai já é com a Mel.Enfim eu disse pro cê nega que vinha comentar de novo ;)

Karla disse...

Ui saiu do anonimato Hahahahahha! Muito bem entao o lindão se pôs no lugar do Fer,sabia que ia nao ia ficar se remoendo com a trem do drama sapatao u.u tá blz,vc tbm ta certo com lance do Fernando como vc e os outros lançaram uma tese de defesa a ele,tu tem argumentos pra Mia querer ele de volta,raxei hj/ontem lembrando da teoria do macho alfa ai meu deus,orgulhinho de vc tá por dentro da historia inclusive vi as pag. salva no seu telefone,já tá favoritando os melhores <3 *-*

Anônimo disse...

A Mia lembrando do que aconteceu assim. Notar que ela passou meses pensando nisso me deixa feliz, esperando algo, e ate desejando ne, ja que ela queria que a fm fizesse o que ela queria. Sei la, ver ela com essa confusão dentro dela pra mim é a melhor coisa que há hahahhaha

Anônimo disse...

mel abandonando o "isto"? hahahaha.

fico PUTA toda vez q a FM joga a bituca do cigarro no chão/sarjeta. tipo, MUITO! não faz mais isso com ela, Mel. sei q ela é toda "foda-se", q isso talvez ajude a compor a imagem da personagem, mas não, cara, joga a merda do cigarro no lixo, cacete!!!!! hahahaha. sério. pfvr.

e Liv, claro q aconteceu, ainda q FM bêbada nunca se lembre, a memória da Mia conta muito mais. foi marcante pra ela, q tava vivendo aquele monte de coisa, sem saber lidar direito com as vontades e tal (de ser comida no banheiro).

adorei esse post.