- »

fevereiro 21, 2014

Old friend, whatcha doin' out there?

Hellbent (New Order)

_Como cê anda? – perguntei, olhando em sua direção, com certa hesitação nos meus movimentos.

O Fernando me evitava. Fumando o que restava do seu cigarro, ainda sem me encarar, com um dos pés encostados na mureta sob o portão. Não estava acostumada a vê-lo sério assim a meu redor. Todas as vezes, agora, desde a briga. “Sei lá” – respondeu, sem se virar. Não interagíamos mais como amigos – não como na última década da minha vida toda, porra. E isso me matava. Não sabia mais como agir ao seu lado. Era estranho. Meu, fala comigo direito. Sob os nossos pés, a calçada imunda da Frei emanava calor refletido de horas naquele sol quase a meio dia.

_Você... – o Fer abaixou a cabeça, deixando a fumaça da última tragada escapar em seguida – ...v-você tem visto os moleques?
_Não – ergui a sobrancelha e traguei, brincando com a minha própria desgraça – Nem se quisesse. Ninguém mais fala comigo...

Ele me observou por um segundo e desviou novamente o olhar. Passou a mão na parte de trás da cabeça, como costumava fazer. E então admitiu: “Isso talvez seja culpa minha...”. Culpa combinada, não é? Eu mereci. Murmurei de volta – “não é por menos”. E esbocei um sorriso. Parte de mim estava feliz só por trocar uma ou outra palavra com ele. Outra parte, todavia, menos orgulhosa de si, revia um sentimento de culpa que há um tempo não me tomava assim. Porque eu sabia. Sabia que a Mia estava lá em cima. Que aquela minha cara de cansada, as minhas olheiras e as mordidas pelo meu corpo eram da madrugada anterior. Ao lado dela, no nosso apartamento. É. Comendo a sua ex, olhei desencorajada para ele. E como me senti mal, cacetepor que não pode todo mundo ficar bem? Por que tudo nessa porra dessa vida tem que ser complicado? Porcaria de situação.

Soltei a fumaça, com certa frustração. E ele balançou a cabeça. “Não devia, desculpa”, lamentou, “n-não devia ser assim... Eles não têm nada a ver com a história. Não tem por que pararem de falar com você...”. Eles quem? Escuta, moleque. É de você que eu sinto falta, caralho, não do Binho. Do Rafael. Do Lipe. Da porra do Benatti. Eu temia, todavia, dizer o que realmente pensava e afastá-lo. Então abaixava a cabeça de volta, hesitante. Engolindo os meus sentimentos, a minha saudades.

_Obrigada – falei, meio enrolada nas minhas próprias palavras – A real é que eu nem tenho tido muita vontade de sair, de ver ninguém.
_Bom – riu, ainda sem me encarar –, eu por outro lado...
_É?
_É... – ele pausou, tragando, e conhecendo o Fer eu sabia que ele andava saindo com todas as garotas que não pôde ter durante o namoro; todas as que a Mia certamente odiava – E sei lá, é uma outra parada agora...
_Trocou de lugar comigo, foi? – brinquei.

Merda! O comentário me escapou. Pois é. Me distraí por um segundo, levada pela abertura dele, por menor que fosse, sem dar-me conta de que implicara a situação reversa. Mas ele, sim, fez as contas – e ficou quieto na mesma hora. Virou o rosto para o outro lado, agora com a expressão fechada. E tragou uma última vez, tacando a sua bituca de qualquer na calçada antes de apagá-la com o tênis. Inferno. Podia sentir ele me xingar, na sua cabeça. E eu me arrependia.

_E-eu não quis f... – comecei a me desculpar e ele me interrompeu, indisposto.
_A mãe dela me ligou, cê sabe?
_L-ligou?!
_Falou um monte. Nunca ouvi a velha dizer que eu fazia bem para a Mia antes – riu, irônico, com certo rancor –, quase implorou pra gente voltar... Disse que ela tava indo num caminho ruim... – abaixou a cabeça e logo tornou a encarar o outro lado da rua – E eu sabia que era de você que ela tava falando.
_É, ela me ligou também.
_Foi a primeira vez que eu não te odiei – confessou, com um pouco dificuldade; a sua voz se tornava ainda mais séria –. Que eu não odiei vocês duas.

Amargurou sua expressão. Por que?, eu o observei, confusa, tentando entender. Mas as peças não se encaixavam na minha cabeça.

_Mas eu n-não... – ele se exaltou por um segundo, tentando não se irritar – ...merda. É foda, saca. Deixa pra lá! – virou o rosto para o outro lado da calçada, na tentativa de se acalmar.

20 comentários:

Ana disse...

"trocou de lugar comigo, foi?"

RISOS.

PFVR, CONTINUAAAA!

Karla disse...

Esse post em especial tá lindo viu,logo eu que sou apaixonada pela amizade dos dois <3 Voltar pro F.M e me deparar com posts lindos,lindos!!Muito amor ai Mel vc acaba com a gente assim ♡♡♡

Anônimo disse...

só eu acho que ta tudo bem sem o Fer? Huahuahu

Pathy disse...

MEU, PQ CÊ FAZ ISSO COM A GENTE??? CONTINUAAAAAAAAAAAAAA

Iully Desiderio disse...

Eu gosto do fer tbm u.u
e to bem feliz dele voltar, ansiosa. mas feliz :)

Deinha disse...

Isso eh maldade terminar assim

Deinha disse...

Ta demais o post, mas eh maldadevterminar assim

Ianca' disse...

Nao entendi pq ele nao as odiou. Pq???? Gente? Cade o outro????

Thais disse...

Como assim o post acabou? Como assim vai ficar nisso? Meeeu posta outro pelamor

Anônimo disse...

Ele ficou puto com a mãe da mia ue, sendo escrota e preconceituosa e achando q a FM era alguém ruim, ou q o fato de beijar moças faz de alguém uma pessoa ruim. Acho q ele teve vontade de defendê-las e ficou numa posição desagradável, pq ainda está muito magoado. Foi o q eu entendi... Não foi isso?

Anônimo disse...

Em plena sexta feira voce ta sendo muito má com a gente, mel! Sexta é dia de dois posts! Hahahahahahhahahaha <3

Mariana Pacheco disse...

Meeelllll.. sacanagem!! Eu aqui tendo um troço. Não pare assim pfv!! Até o próximo sinto que terei problemas p respirar normalmente. Portanto não demore, pleaseee!!

Anônimo disse...

Ta foda, não dá para ter ideia do que vai acontecer! Mel, você judia muito de nós!

Cris F Santana disse...

O Fer tá manso =x

Bárbara Leão disse...

Gente, esse post foi pra maltratar o coração!
Quedi mais??
SOCOOOOORROOOOO!!!

Anônimo disse...

Aiaiai, curiosa demais pra saber o resto.
Continua looogo, Mel! Pleasee :D

Gabs disse...

Aiiii que post lindo Mel.
Na boa, eu amo o jeito como você escreve. Como descreve as coisas mais simples, o trejeito dos personagens. A forma como faz a gente se envolver na história, como se estivéssemos ali, do lado. Assistindo a tudo.
Obrigada por ser essa escritora maravilhosa, que faz valer cada minuto que passo lendo o Fuckin Mia.

Patricia Corrêa disse...

Fer, que saudades cara <3

Anônimo disse...

Post novo hj, mel?

Juliana Nadu disse...

Nosssaaa senhora!!! Olha esse cara, velho!!!! Olha a intensidade desse comentário????
Que empatia absurda!!! Ele compreendeu profundamente a dificuldade dessa relação sobrepujando td o que ele tá sentindo!!
Caralho!! O nome disso é amor!!! Nossaaa li esse post com lagrimas nos olhos