- »

abril 13, 2014

Dilemas

Entramos na sala – como se tivéssemos, as duas, acabado de cruzar com um fantasma no corredor. A Vivian estava sentada ao lado do André, num ataque de riso; o Gui em pé e a Marina com um pé no chão e o joelho da outra perna apoiado no sofá, também rindo, olhando para os dois. Falavam sobre algo que não prestei muita atenção. Que se dane. Tinha coisas mais urgentes com que me preocupar. A Marina virou a cabeça na nossa direção, nos observando entrar na sala. E franziu as sobrancelhas, ainda sorrindo:

_Que aconteceu, por que cês tão com essa cara?

Sem responder, a Mia cruzou os braços, curvando os ombros, tensa. E antes que pudesse eu mesma responder, o interfone tocou na cozinha. Entre o barulho do rádio e dos demais, que riam. Merda. Os meus olhos cruzaram com os da Mia.

_Eu vou descer. É melhor eu descer... – a Mia falou para mim, se agitando.
_O que foi? – a Marina apagou o sorriso do rosto, notando que era sério – O que é?
_Não, meu – pedi para a Mia –. É só a gente não deixar ela entrar, eu ligo pro porteiro...
_Cê tá louca?? Não. Ela só vai ficar mais brava!
_O que tá acontecendo? – a Marina se inquietou, mandando os demais ficarem quietos – Linda?!
_A mãe da Mia tá aí. Ela tá puta...
_Aqui, “aqui”? Tipo, no prédio??
_É.
_Quem tá, onde? – o Gui riu, ao longe, sem entender.

O interfone tocou mais uma vez, a Mia se afligiu ainda mais.

_Eu vou descer. Chega.
_Não. Fica aí! Eu falo com ela.
_Você não vai descer. Fora de questão. NÃO!
_Espera. Não querem que eu vá? – a Marina entrou no meio – Vocês precisam falar com ela? Como é a história?
_Não. Não tem nada pra falar! Ela não quer que a Mia fique aqui, ela quer levar ela pra casa.
_Alguém pode me explicar o que está acontecendo? – o Gui aumentou o tom de voz, tentando nos interromper, sem sucesso.
_Eu acho melhor a Mia ir, linda, senão ela vai ficar mais brava. Eu posso ir junto se ela quiser – a Marina se ofereceu, me aconselhando – A gente explica o que tá acontecendo, que não tem nada para se preocupar...
_Não. Eu não quero nenhuma de vocês envolvida nessa merda – a Mia pediu –, eu já tô com vergonha o suficiente...
_Todo mundo fica aqui, ninguém vai descer. É só a gente não atender, meu! Finge que saímos!!
_Ela não vai cair nessa... – a Mia passou a mão na cabeça, atormentada.
_Foda-se. Não importa! O porteiro não pode deixar ela subir sem a minha autorização.
_Do jeito que ela é louca?? Capaz dela chamar a polícia, cê não conhece ela!
_Ela não vai fazer isso, Mia.
_Eu não duvido. Ela ficou ameaçando ligar pro meu pai, disse que ia fazer o caralho a quatro... Que eu era arrogante, que eu não tinha respeito, gratidão nenhuma.
_Mas, gente – a Marina argumentou –, de qualquer forma... O porteiro sabe que a gente tá aqui em cima.
_É, meu. Subiu o Gui... os meninos... E não faz nem uma hora que a gente desceu pra comprar mais cerveja, ele viu a gente entrar!
_Mas... – eu começava a perder a paciência.
_Vamos eu e a Mia, flor, a gente fala com ela. Vai dar tudo certo.
_Não. Eu vou descer, então, e vocês ficam aqui. A casa é minha! E a merda também... Eu não vou falar nada? Vou ficar aqui??
_O que tá acontecendo? – o Du surgiu descabelado e descamisado na sala, com cara de quem havia sido acordado por toda a discussão e caos no cômodo.
_Meu, pára! – a Mia me respondeu – Você NÃO VAI descer. Esquece. Só vai piorar as coisas!
_NÃO VAI. Eu posso falar com ela, porra. Você acha que eu nunca falei com mãe nenhuma?! Me deixa fazer isso, Mia, eu sei o que eu tô fazendo... Eu já passei por essa droga antes.
_Não, meu. NÃO.
_Mia, caralho...
_Você fica aqui e a Marina vai comigo... Eu não quero você falando com a minha mãe, ela é desregulada.
_Eu não vou ficar aqui sentada, depois essa louca te leva embora e... aí?! – os ânimos começaram a acalorar, estávamos todos bêbados ou fumados e um tanto apocalípticos – Nem a pau. NÃO.
_O que você acha que ela vai fazer?? FODA-SE ELA! Ela quer uma ceninha. É ISSO QUE ELA QUER! É uma ridícula. Eu brigo com ela todo santo dia, toda vez que vou sair, ela já tá cansada de ouvir. Eu sei como lidar com ela, deixa qu...
_Não. A GENTE precisa resolver essa merda... Nós duas. Ela não pode ficar nessas toda vez, porra. Qual é? Todo mundo é adulto aqui. A gente tem que conversar com ela, Mia...

O interfone tocou de novo, pela quarta ou quinta vez. E a Mia se estressou, saindo em disparada até a cozinha, irritada – pude ouvi-la puxá-lo da parede com tanta força que fez um estrondo, antes de atender. “Quê? (...) Não! Não é para deixar subir!”, gritou com o coitado do porteiro, que nada tinha a ver com a situação. “Não interessa! Manda ela ficar aí! (...) Não. (...) NÃO! (...) Manda ela ficar aí. Eu vou descer!”, anunciou, antes de bater o interfone de volta na parede e ressurgir no corredor, agora puta da vida. De saco cheio da história toda. Era curioso como ela se transformava quando se irritava, perdendo totalmente qualquer receio ou tensão que a fizera curvar antes. Tinha surtos de coragem, de que-se-dane-o-mundo. Os mesmos que a fizeram contar sobre nós para o Fer, para a mãe numa discussão em casa. E eu receava – que falasse demais, que surtasse com os pais – e que perdêssemos a causa, eventualmente.

_Mia – me aproximei, tocando o seu antebraço, enquanto ela vestia de qualquer jeito um shorts largado na sala – Deixa eu ir, linda... Não vai rolar nada demais, eu vou conversar numa boa com ela, meu. Você tá nervosa. Se ela quiser brigar, eu deixo ela falando sozinha, prometo. Eu não vou m...
_Não. VOCÊ FICA. Vem, Má... – se desvencilhou de mim, fechando o zíper e puxando a Marina pela mão.

Inferno. Ambas saíram pela porta, batendo-a, antes que eu pudesse abrir a boca. E eu fiquei ali, irritadíssima. Puta que pariu. Estava nervosa. Sentia a minha mão tremer, o meu coração entalar na garganta. Com tudo, com o que poderia acontecer. O Gui e o Du e o André e a Vivian me olhavam, parados na sala. Pareciam segurar o fôlego, em estado de alerta e sem entender direito o que acontecia – enquanto eu tinha vontade de destruir tudo. A porcaria da porta, o apartamento todo. Porra. Não gostava daquilo, daquela falta de controle. Daquele não saber o que diabos seria falado. Era melhor se eu tivesse descido junto. A gente precisa encarar isso que nem adulto, mostrar pra família dela que sabemos o que estamos fazendo, cacete. Que entramos nessa com consciência. Não com medo, eu caminhava de um lado pro outro, inquieta, não com o rabo entre as pernas, ficando escondidas.

_O que foi? – o Du me questionou, vendo na minha expressão que eu estava prestes a fazer merda.
_Eu preciso descer. Eu preciso estar lá, estar JUNTO com ela!
_Não, velho: faz o que elas falaram. Não é uma boa!
_Mas elas tão erradas, Du! Não é assim que a gente vai resolver essa porra – gritei e balancei a cabeça, inconformada – Não é assim, mesmo...
_Espera – ordenou, tentando me acalmar –. Só espera!
_CÊ NÃO ENTENDE, MEU?! Se a gente não falar com ela, essa desgraçada vai controlar tudo o que a Mia faz, como se fôssemos duas adolescentes, mano!!
_Se você for lá, a Mia vai ficar puta, velho. FICA AÍ!
_É, gata – o Gui se intrometeu, ainda em pé ao longe –, cê faz as coisas sem pensar e depois se arrepende...
_Vocês NÃO sabem de PORRA NENHUMA...

15 comentários:

Anônimo disse...

to no grupo que acha que ela tem que descer lá acabar com a farra da coroa.

Anônimo disse...

POOOSTAAA OUUTROOOOOOO! *0*

Deinha disse...

Eu nao desceria, mas como anda mto calmo o blog, sinto cheiro de meldsss hahahahaah

Anônimo disse...

E a sapatão que nunca brigou com a mae da namoradinha que atire o primeiro anel do dedão

Anônimo disse...

fm fazendo fmices kkkkkk <33333 qr q quebre o pau defendendo a mia!!! amo D++ esse blog!!!

Anônimo disse...

Aiai, deeeesce!!! O negocio é abrir logo o jogo e mostrar o que quer pra mãe dela. É difícil, mas é necessário...
Aprendi do pior jeito mas é assim mesmo...

marj_bellini disse...

Mano essa mãe da mia só irrita, o mulher chata, acho que de a FM descer vai dar merda, cade proximo cap omg

Karla disse...

Orra saudade dde barraco,gritaria,confusão manda mais CAPSLOCK que ta poco,manda mais!!!

Anônimo disse...

Posta o desfecho disso plmdds

Anônimo disse...

ela nao deveria descer.
mas eu quero que ela desça.
e que tenha barraco.
na frene do porteiro.

obs: ri pra caralho do comentário "atire o primeiro anel de dedão".

Duda disse...

adooro barracoo auhsauhs quero a FM lá em baixo

Mariana Pacheco disse...

Vou falar q super concordo c a FM dessa vez.. Tem q ir lá e resolver.. Ficar na dela não resolve nd..
Obg Mel...mas manda mais um vai...please!!

Anônimo disse...

geeeeente '-' olha essa Mia P U T A D A V I D A. achei demais Mel, mt mesmo. Merecemos um post novo, né?

Anônimo disse...

Oooolha a merda! Não desce, pelamor!

Pathy disse...

Tô com a FM, desce e joga uma verdades na cara dessa mulher irritante! Argh!