- »

abril 15, 2014

Outras preocupações

_Gente... – a Vivian levantou do sofá, meio bêbada.
_Escuta – o Du a interrompeu, falando comigo, mas ela prosseguiu.
_...alguém me explica direito o que tá rolando? A mãe da Mia tá lá embaixo?!
_É... – o André se manifestou – ...quer dizer, eu acho.

E o Gui virou para explicar, perto deles, ainda em pé. Murmurou as palavras numa altura impossível de se ouvir, pelo menos não de onde eu estava. O rádio seguia ligado, berrando músicas dos anos 90. O Du se aproximou ainda mais de mim, tentando me aquietar no lugar. De toda forma que podia. Eu estava absolutamente impaciente, sentindo a minha casa relacionamento vida invadida. Quem essa mulher pensa que é? A Mia não é criança, porra, isso é ridículo. Olhei para a mesa da entrada e vi um maço ali largado – sem saber de quem era –; o apanhei. Acendi um dos cigarros. A minha mente se indignava com a situação – Qual é. Ser sapatão é “crime” agora?!

_É sério, escuta. Ninguém vai te segurar... se você quer descer, vai, faz o que quiser. Mas tô te falando: é má ideia. Mesmo que dê tudo certo com a mãe da Mia, vamos supor, vai... O que eu acho bem difícil pelo que ela tava falando aí, ok? Ainda assim... As chances são de que a Mia fique brava, meu. Não vai ser uma boa. Ela PEDIU pra você ficar.
_Du, você não tá entendendo... É PIOR se eu ficar aqui - traguei - Depois como que eu v...
_Tô tentando te explicar como vejo as coisas, porra. Hoje não é um bom dia. Vai por mim... – me cortou – A mãe é dela, meu, deixa que elas se resolvem...
_ E outra – o Gui completou –, cê não quer conversar com a velha assim, no meio da calçada e de qualquer jeito, quer?
_Mas se eu não for agora, que impressão vocês acham que ela vai ter de mim?? Eu posso ser a última pessoa que ela quer ver lá embaixo, mas te garanto que é melhor do que achar que eu sou uma rouba-filhinha-dos-outros que sequer mostra a cara, que fica aqui, nem aí, enquanto deixa a Mia se foder lá sozinha, mano! Ela precisa ver que a gente é um casal, porra, que a gente tá junta. Que eu me importo. Senão ela nunca vai entender!
_Ou... – o Du arqueou as sobrancelhas, contrariado.
_Não tem “ou”... – me angustiava aquele bla bla bla deles e nenhuma droga de ação, cacete. Queria sair logo por aquela porta!

Mas o Du insistia...

_Ou ela pode achar que é muita cara de pau você aparecer lá embaixo... Pode se irritar mais ainda. Por ver que é uma mina mesmo, manja, que cê é de carne e osso. Que é real. Ela pode se dar conta da situação...
_Quê?! Mas... ELA SABE QUAL A SITUAÇÃO!
_Você não sabe disso...
_Gata, escuta o que o Du tá falando... – o Gui pediu.
_MAS NÃO FAZ O MENOR SENTIDO O QUE ELE TÁ FALANDO!
_Faz, sim. Você lembra como foi pra mim? A briga com meu pai era uma e virou outra BEM DIFERENTE quando ele me pegou com um cara na rua... E eu já era assumido fazia dois anos, meu.
_Aff. Só que, Gui, mano... – me irritava, discordando da comparação – O seu pai é um louco! Homofóbico, agressivo de merda. A mãe da Mia é diferente, ela não vai fa...
_ELA TÁ LÁ EMBAIXO! – o Gui riu, na minha cara.
_É, meu... – o Du se metia – Como você pode ter tanta certeza que vai rolar numa boa?
_ELA JÁ ME CONHECE, MANO! Ela já me viu. Já gritou comigo. Já falou comigo no telefone, porra! Eu já tomei café da manhã na mesa dela. Ela sabe muito bem com quem a Mia tá dormindo, caralho: NÃO É NOVIDADE. Garanto.
_Bom... Eu acho que é cagada – deu com as mãos pra cima.
_Du, não é c...

De repente, abriram a porta. E a Marina entrou, apressada. Que tá acontecendo? – disparei na sua direção na mesma hora e ela segurou nas minhas mãos:

_É melhor você descer. O pai da Mia tá no carro.
_O PAI dela??
_É, meu.
_Merda – fodeu, pensei – Ele falou alguma coisa?
_Não. Mas a Mia não quis nem sair, ela tá lá perto do elevador. Só a mãe desceu, tá lá fora na calçada, mas dá pra ver o carro da entrada. Tá parado logo ali na frente... – a Marina me olhou, apreensiva.
_Que foi?
_A-a Mia começou a chorar, flor. Assim que viu ele.

“Eu vou descer”, me apressei. Droga. Desviei da minha ex, indo em direção à porta. Mil vezes droga. Essa era a pior forma para o pai da Mia descobrir. Fiquei imaginando aquele cara de cinquenta e tantos anos, conservador, de família judia, sentado no carro com a cara fechada, prestes a presenciar uma discussão bastante pública da esposa com a filha, em frente à casa da garota que ela está pegando. Não poderia ser pior. Se bem que – imprestável como eu era – conseguia pensar em duas ou três formas de agravar. Uma delas envolvia o seu quarto e umas horas livres.

Caminhei pelo corredor do meu andar com pressa. Estava aflita pela Mia. O elevador ainda estava lá, deixado pela Marina segundos antes. Desci todos os andares com a mão na parede – como se me preparasse para pular fora assim que chegássemos no térreo. Saí em disparada. E logo os meus olhos a encontraram no hall do prédio – a Mia estava num canto, próximo à porta de entrada do hall do prédio. Tinha os olhos vermelhos e envergonhados. Desgraça, odeio te ver assim. Apertei o passo, seguindo o mais rápido que podia na sua direção. E a abracei. Dei-lhe um beijo no rosto, sentindo suas mãos me apertarem.

_E-ela... – suspirou, pesada – ...estragou t-tudo, ela, ela não tinha esse direito! Eu queria contar, porra. D-do meu jeito.
_Eu sei, linda. 
_N-não era pra ele saber agora. Não assim. E-eu, eu não sei o, o que... – enfiava o rosto na minha camiseta, tinha as maçãs do rosto molhadas – ...q-que fazer, é o meu pai, caralho. Essa...
_Mia... Me escuta... Vai ficar tudo bem, o seu pai n...
_...essa VACA de merda!! Como ela pode trazer ele aqui???? – soluçava, aos prantos – Ele não vai nem olhar na minha cara, eu sei disso. Ele não vai entender. N-nunca.
_Vai, sim. O meu pai era igual, meu. Não era? Sabe, talvez só demore um pouco, mas ele vai entender... Ele te ama, Mia. E eles sempre entendem... – a abracei, mentindo; me partia o coração vê-la assim – ...todos meus amigos, as minhas amigas passaram por isso. E todos chegaram a algum nível de aceitação dos pais – ela me olhava, sem qualquer esperança; eu tentava animá-la – Escuta, ei! Alguns nos surpreendem, linda. Não é sempre um desastre, as coisas se acalmam.

A encarava e tentava sorrir, secando as lágrimas do seu rosto. “Vem comigo”, pedi com calma, “vamos falar com a sua mãe... a gente senta e conversa, eu posso ir na frente se você quiser. Vai dar tudo certo”. A Mia sequer se movia nos meus braços. Eu garantia: “O seu pai vai entender, linda...”. Mas os seus olhos receavam.

_N-não. Eu não posso ir lá fora. Você não conhece ele. Ele vai me odiar por não ter falado, por descobrir assim. 
_Não vai. Você nem sabe se ela contou ou não, vai ficar tudo bem.
_E-eu não consigo – me apertava as mãos, completamente travada no lugar –, é o m-meu pai.

19 comentários:

Anônimo disse...

que angustia D: ver a Mia sofrer dessa forma é triste...deu nervoso esse post Mel ><

Anônimo disse...

Tadinha, velho... :(

Anônimo disse...

:\

Pathy disse...

Ain :(
Vontade de abraçar todo mundo que passa por isso e dizer que depois da tempestade seempre vem a calmaria ou quase sempre.
Ai Mel, tô numa tpm fodida e tu me vem com um post desse :'(

Anônimo disse...

isso.. traz lembranças.. :(

Anônimo disse...

Me sentindo nesse post :(

( the girl fucking Mia ) disse...

Ai, meninas, mil perdões pelas lembranças negativas. Espero que hoje as coisas estejam bem ou que tenham, ao menos, a oportunidade de encontrar pessoas queridas que as aceitem fora da família.

Tenho orgulho de todas vocês por defenderem quem são e quem amam :)

mkendow disse...

Mel continua por favorrrr, to apreensiva aqui D:

marj_bellini disse...

Ain Mia não fica assim :(((( me parte o coração gente, que mais mais pentelha, cade proximo capitulo omg

Anônimo disse...

Ai cara, coitada da Mia. Dá vontade de abraçar ela e não soltar mais :(

Anônimo disse...

Eu acho que, eu nao saberia lidar com uma situação dessas =\

Coxiba disse...

Ai q desespero!!! fiquei mals agora
Mel diz q ele vai aceitar?!

Anônimo disse...

cade barraco?

Anônimo disse...

quem nunca passou por isso? que grande merda.. espero que o pai não seja tão conservador, estou torcendo pela conversa!

Cris F Santana disse...

Quem já passou por isso tá sofrendo com ela, certeza! Tadinha!

Marrie disse...

Quantas lembranças!

Anônimo disse...

Me sentindo nesse post :( [2]

Iully Desiderio disse...

lembrado quando eu contei pro meu pai que eu ficava com meninas ele me veio com um "eu já tinha sacado" mó alivio :)

Anônimo disse...

Muita peninha da Mia...e torcendo pra FM conseguir fazer certo, sem dar esporro na sogra rsrs