- »

julho 18, 2014

ABC

_Eu não sei por que eu vim. Devia ter ficado em casa...
_Vai lá. AINDA DÁ TEMPO! – a Mia revirou os olhos, de saco cheio, argh.

De mim, do meu surto desproporcional de ciúmes. Os ânimos tinham saído completamente do nosso controle, em meio segundo. Para. Volta. Olhei para os seus braços cruzados, para a forma como o seu corpo todo parecia evitar o meu. E me senti estranha – cacete, não era isso. O que eu tô fazendo? Os pés da Mia estavam instáveis, meio bêbada naquela calçada. A olhei na minha frente e tornei a sentir uma raiva irracional, dessas que te reviram o estomago silenciosamente, só de pensar nela se metendo com uma moderninha qualquer da Augusta pelas minhas costas. Deixando a garota chegar perto dela. A verdade é que a menina me lembrava bem demais a mim mesma. Desgraçada. Com o seu jeito de quem não dá a mínima, cara de cachorrona. Seria muita pretensão querer ser a única? Como se eu pudesse preencher toda a cota de sapatas na vida da Mia. Sim. Era muita pretensão. E eu não sabia por que me sentia tão ofendida, tão puta de vê-la ali, bebendo com outra no Bambu. No meu território. Era isso. A Mia nunca pertenceu a nenhum daqueles bares caminhoneiros da Augusta, porra; aquela era a minha vida.

Mas não era como se ela também não o soubesse – a cada movimento do seu corpo escapava uma confissão. Fazia de propósito. Ela sabia que não estava ali por curiosidade. Por vontade de conhecer. Aquele não era o seu rolê e a intenção sempre fora me atingir, no segundo em que eu visse ou ficasse sabendo. Ou ainda que não. Sabe? Retaliação psicológica. Quis sentir-se vingada pela forma idiota como eu agi naquela tarde, num joguinho mental consigo mesma. Somos duas ridículas.

_Mano... – eu comecei a rir de mim mesma, nervosa – Você acredita que eu comprei a porra de UM CELULAR? – a olhei e passei a mão na nuca; a Mia parecia não entender – Pra m-me desculpar?
_Do que você tá falando?
_Juro. Eu sou uma PUTA IDIOTA mesmo. Vim aqui achando que ia ficar tudo bem...
_L-linda...
_Bom, eu vou voltar. Vou para casa.

Dava-me por vencida. Aquela excursão toda havia sido um fracasso, eu nunca deveria ter pisado para fora do apartamento. A Mia acenou com a cabeça, ainda distante de mim – “ok” –, em resposta monossilábica à minha decisão. Como ok?

_Você não vem? – me tornei inquieta mais uma vez.
_Não, meu... – me encarou, como se fosse evidente – Vou ficar.

Filha da...

_Pra quê diabos você tem que fic... Argh! – interrompi a frase antes que fosse tomada novamente pela merda toda – Quer saber, tá. Que se dane. Fica aí, eu vou embora...

Dei as costas para ela. Sem ter resolvido porra nenhuma naqueles dez minutos de vida desperdiçada. Comecei a andar para o lado oposto, na direção da Fernando de Albuquerque, que àquela altura já estava tomada de pessoas. Num barulho crescente de sábado à noite; entre todas aquelas gargantas sedentas por cerveja, catuaba, pelo o quer que fosse. Passei no meio da muvuca em frente ao Ibotirama e atravessei a rua. Me sentia estranha. Havia estranheza em voltar para casa sozinha, enquanto todas aquelas pessoas acabavam de chegar na Augusta, prontas para beber até cair e agarrar o mundo por toda a madrugada. Me constrangia de mim mesma. Eu sei que é estúpido – mas a Mia estava tão perto – e eu ali, caminhando como uma fracassada para um apartamento completamente vazio.

As minhas noites já foram melhores, resmunguei para mim mesa e atravessei para virar na Peixoto Gomide. Entrei num dos botecos próximos ao bar da Alôca e pedi um maço de cigarros. O meu já estava quase acabando. E se eu ia sentir pena de mim mesma a noite toda naquele apartamento, era melhor que eu tivesse um estoque de nicotina. O cara do balcão me lembrava um tio alcóolatra que eu tinha, por parte de mãe. Sabe quando a pessoa fica com a cara caída, meio envelhecida, e aquele tom amarelado na pele de tanto se embriagar? Era essa cara. Ele me entregou o maço e eu paguei. Saí na calçada, enquanto o ajeitava no bolso com um dos celulares, e comecei a descer a Frei Caneca. O Du ainda estava no cinema com o André. Entrei no prédio e o som das chaves destrancando a porta ecoaram no cômodo completamente apagado. Fui no escuro até a cozinha e acendi uma das luzes. Deixei os celulares e os maços, um quase acabado e outro cheio, em cima da mesa e me dirigi até a geladeira para pegar uma cerveja. Então sentei ali. 

Mas que merda.

Por um segundo a minha cabeça foi na direção da Mia e do que diabos ela estaria fazendo naquele mesmo instante – e com quem. Mas logo me tirei dali. Não posso entrar nessas brisas ou vou passar a porra da noite me consumindo em absoluto ciúmes, com raiva dela e de mim mesma. Tomei um gole da minha cerveja. E puxei para perto o meu novo investimento telefônico, observando a sua aparência frágil. Aquilo não ia durar muito na minha mão. Digo – estou deixando cair o tempo todo e esqueço o celular no bolso quando encho a cara, jogo as coisas no chão sem nem ver. Não ia dar certo. Abri a tela e comecei a fuçar sem muito interesse, completamente entediada, com certa dificuldade em me virar com o touch screen. Internet. Bloco de notas. Mensagens. Modo avião – que porra é modo avião? –. Um aplicativo do Facebook. Calculadora. Um jogo pré-instalado. Abri o joguinho e me entediei por mais alguns minutos com aquilo, antes de desligar a tela e largar o aparelho de volta na mesa, com um suspiro de absoluta frustração.

Peguei o meu celular antigo e o abri nos meus Contatos. Então peguei o novo e abri os seus – ainda vazios. Isso vai levar algum tempo, pensei. E comecei a cadastrar um por um dos números na nova lista. Metade dos números eu sequer registrava por que não fazia ideia de quem era. Tinha aquele aparelho há anos e aposto que me levou bem menos tempo – tipo uma meia hora... – para esquecer quem diabos era “A mina do bar verde”. Esses foram descartados. Já a outra metade me deprimia. Conforme ia adicionando os contatos, avisava uma ou outra pessoa que estava mudando de número. E sabia que nenhum dos meus amigos em comum com o Fer retornaria o meu SMS. Mas mandei mesmo assim. 

Fui descendo a lista, de forma não muito eficiente, intercalando goles de cerveja com números anotados e mensagens digitadas. Cada letra do alfabeto me tomava uns dez a quinze minutos até terminar todos os contatos. E depois de mais ou menos meia hora, cheguei invariavelmente num que eu não conseguia descartar.

17 comentários:

Anônimo disse...

Claaaaaaraaaaaa <3

Anônimo disse...

Clara *-*

Anônimo disse...

Clara *-*

Glaucia disse...

Claraaaaaaaaa (2) <3

Anônimo disse...

Ahh entao eeeesses sao os posts do smartphone q Vc comentou a meses <3 to adorando!!!

Anônimo disse...

claraaaaaaaaaaaa!!! <3 agora sim a historia volta a ficar interessante

Anônimo disse...

sdds clara ♥

Anônimo disse...

É a clara mano *-* n deixa a gente mt tempo na ansiedade mel

Anônimo disse...

simmmmmmmmmm, os posts sobe o smartphone! volta pra mim, clara! aparece de novo na minha vida, sua argentina linda. hahaha

Anônimo disse...

CLARA! porra, é a conjuntura IDEAL pra ela cair na tentação e entrar em contato.

Anônimo disse...

Kkkk "a mina do bar verde" kkkkkkkk eu anoto nomes assi qdo to bebada!!!

Anônimo disse...

vai ser cara de pau o suficiente e vai tentar falar com a Clara...

Anônimo disse...

Tá, FM, não chega de fazer bobagem, ainda vai ligar pra Clara? Muuuito maduro, mesmo... Liga que ela vai desligar na tua cara hahaha Continuação, Mel!

Ianca' disse...

Clariiiiiinhaaaaaa.. Acompanho o blog desde 2010 e só agora sei como é a vida da fm, como ela se sente e etc. Tomara que eu nao esteja ficando ordinária tb, ou sim

Anônimo disse...

Ai, sério? Nada contra a Clara, mas...deixa ela pra lá, quero FM com Mia. Às vezes acho que só eu não fico torcendo pra Clara voltar haha

Anônimo disse...

CLARA <3

Anônimo disse...

cadê continuação?? =)