- »

junho 27, 2011

Meu deus. Recusava-me a abrir os olhos, me afundando em tecido; eu me contorcia sem nem perceber. Não conseguia adquirir consciência, apenas me movia por impulso. Meu corpo inteiro reclamava, sentia o meu interior todo enfraquecido. E o meu estômago revirava-se, inferno, numa ressaca violenta. Que horas são?, a minha mente despertou por um instante. Abri os olhos. Os lençóis se misturavam com o cabelo bagunçado sobre o meu rosto, imersa no colchão.

De repente, senti o meu abdômen dobrar-se, involuntariamente. Toda aquela tequila e sei-lá-mais-o-quê prestes a me subir pela garganta. Levantei com certo esforço, desorientada; a minha cabeça doía. Argh, banheiro. Onde é o banheiro nessa porra?! Respirei fundo, aquele sentimento agonizante me pesava o corpo todo. Merda. Andei, passo a passo, quase cambaleando de sono, pisando descalça no chão. Banheiro, banheiro, banheiro... saí no corredor, repetindo na minha cabeça e procurando, sem muita consciência da situação em que me encontrava. Entrei numa porta e vi um pedaço de uma cama, apenas o começo, onde alguém dormia debaixo de lençóis meio amassados. Tá, aqui não. Caralho..., encostei a porta de novo e me virei para o outro lado do corredor, ...onde é, porra? A ânsia que dominava o meu corpo começava a me desesperar, merda. Empurrei a porta, já quase onde havia presuposto ser a sala, e lá estava o banheiro. Enfim.

Inclinei-me sobre a pia e molhei o rosto, alguns fios grudaram ao longo do meu rosto. Olhei-me no espelho, estava completamente destruída. Argh. Tirei as mechas molhadas de cabelo da cara, as minhas olheiras me davam um aspecto horrível e cansado, de quem bebeu mais do que deveria na noite anterior. Agachei em frente à pia, só com a calcinha vestida no corpo; sentia-me enjoada. O que eu tô fazendo aqui, mano, apertei os meus olhos em desgosto. Os meus órgãos se contorceram, não, inferno... não!, percorri meio metro arrastado, sem me levantar do chão, e dobrei o corpo sobre o vaso, levantando a tampa da privada. Maldição. Deixei a cabeça cair, apoiada nas minhas mãos, segurando-me pela testa. Respirei fundo, tomada por um mal-estar horrível, merda. E comecei, então, a vomitar toda a minha irresponsabilidade sem noção da madrugada anterior.

Dez minutos se seguiram no chão do banheiro. Daquele banheiro. Sentia-me melhor, ainda que com uma enxaqueca filha da puta, quando voltei para o quarto. Após molhar mais uma vez o rosto e a nuca, isto é. Olhei para a garota capotada na cama, igualmente de calcinha e sem mais nada no corpo. A dela tinha pequenas listinhas azuis escuras em um fundo branco. O seu cabelo ruivo claro estava bagunçado sobre o seu rosto. Ótimo, pensei com ironia, conforme pegava a minha blusa amassada no chão e vestia-a. Ajoelhei-me, então, em cima do colchão.

_Ei... – passei a mão no seu ombro e ela despertou, sem se mover – ...posso usar sua escova?
_Hmm? – murmurou, ainda desorientada.
_Posso usar?!
_Pode... – disse baixo, quase num suspiro, sonolenta – ...tá lá, é a rosa.

Imediatamente fui escovar os dentes, sentia-me melhor – mas não conseguia me livrar daquele gosto de guarda-chuva na boca. Maldita ressaca. Voltei mais uma vez ao quarto e a garota seguia dormindo, completamente desmaiada. Dei uma olhada pela janela e vi que desconhecia totalmente a vizinhança. Cadê meu celular, porra? Rodei a cama com as mãos e depois o chão, apenas com os olhos, até encontrá-lo no bolso da calça, largada atrás da porta. Minha carteira estava vazia, um recibo da balada amassado em uma das cavidades me auto-incriminava. Merda. Peguei o celular; me sentia embrulhada por dentro. Chequei, eram 14:53.

_Oi. Sou eu. Onde você tá?
_Em casa, por quê? – a Marina respondeu, do outro lado da linha.
_O que você tá fazendo? – continuei, sem vergonha alguma na cara.
_Escrevendo. Queria adiantar umas coisas, a Bia tá na casa dos pais hoje... O que foi?
_Você... – parei por um segundo, sem realmente querer lhe pedir aquilo, droga – ...você pode vir me pegar?
_Ótimo... – ela suspirou, sem paciência comigo – ...onde você está?

Dei uma olhada ao redor, cara, não faço idéia. Andei três ou quatro passos até a cama e acordei mais uma vez a garota. Ela me olhou, com sono.

_Que bairro é este? – perguntei, falando baixo para ser educada.
_Hm... Tatuapé.

Puta que pariu. A Marina vai me matar.

E, de fato, ela bem quis. Assim que eu repeti o endereço ao telefone, pude ouvir sua respiração pesar do outro lado da linha. Não disse nada, porém, seja lá por que motivo; eu sequer tinha créditos com ela. Disse que viria, mas que demoraria para chegar, garantiu. “Já que, né, é do outro lado da cidade...”, murmurou ao celular, incomodada. Desligou sem me dizer tchau. Eu sabia quando irritava a Marina, inferno. Não queria aquilo. Coloquei o telefone em cima da escrivaninha do quarto, ao meu lado.

A garota se moveu, ouvi os lençóis se mexendo e olhei de canto de olho na sua direção. Ela estava sentada, de perfil para mim, com os cabelos desarrumados e bonitos. Fingi não ver, como se estivesse distraída, olhando para o lado oposto. Por que diabos eu me meto nessas, mano..., pensei, sem paciência para estar ali naquele momento. Me sentia enjoada demais para ser agradável – isto é, fazer um social, carinho, tomar café-da-manhã juntas e o caralho a quatro. Chega logo, Marina, pelo amor de deus, resmunguei na minha mente.

_Bom dia... – a garota disse, num tom agradável e sonolento, aí deitou-se novamente na cama, agora de frente para cima; os fios dos seus cabelos escorregavam pelo seu corpo descoberto, ela parecia confortável comigo.

Olhei na sua direção e sorri por etiqueta.

21 comentários:

Anônimo disse...

eu to com uma puta saudades da Mia :c

Anônimo disse...

Essa Devassa é uma filha da mãe* mesmo né? HAHAHAHAHHA

jamile disse...

hahahaa fm voltou mesmo =))
e a marina é linda!

to com saudade da mia tbm :(

Anônimo disse...

aiiiiiii essa mulheeer me deixa louca (6) ADORO A FM DE VOLTA!!!!

Ana disse...

Saudades da Mia tbm :(

Anônimo disse...

fm e mia back plz haha

Ma disse...

Por enquanto não to com saudade de Mia nenhuma! HAHAHA To gostando das coisas desse jeito! x) Por enquanto...
Só é ruim não saber o que a Mia tá passando, pensando e sentindo! HAHAHAHAHA dá uma puta curiosidade! Assim como a FM também deve ter.. hahaha

Quero a Mia sofrendo um pouquinho também! E que a FM continue assim! HAHAHAHAHAHA
Ah, meu. Achava lindo as duas. Mas quiseram dar de loucas.. Que seja assim esse tempinho! Tá gostoso! hahahaa

Bom, bom, muito bom!
Beeijo ;*

Anônimo disse...

No Tatuapé? AHUUHAUHAHU Olha a FM do meu ladinho. Deu mesmo saudade da Mia. :( É estranho ficar sem saber o que está se passando com uma das protagonistas. Que a tua frequência de post volte, Mel.

Anônimo disse...

Uma ruiva só de calcinha na minha cama...adoraria...

Amanda disse...

Minha curiosidade pergunta por onde a Mia anda e se ela já decidiu o que quer da vida, mas ela com a FM de novo não. Até quero uma conversa com diálogos lindos e tensos, mas só pra Mia se arrepender da mulher que perdeu, rum.
E lá vem a Marina linda como sempre só pra ganhar meu coração. Ah, essa mulher é demais.
Não faça isso de sumir de novo, escritora. Tuas leitoras sofrem, sabia?

=*

Ianca' disse...

Desde o inicio do blog eu percebi que esse jeitão dela de "tô nem aí" dá um charme danado u.u
Eu não me imagino assim, me importo demais.. sei lá, só tô pensando alto. Como não moro em São Paulo, estava fazendo uma ligação entre os lugares que a FM frequenta, onde cada personagem mora, onde a FM se mete aiai, anda viu, anda e muito!

Letícia disse...

Boa, gostei, mais estou com saudade da Mia :( hehe
beijos :*

Pathy disse...

PQP.. eu sempre atrasada!! hihihi
Sabe, a Mia ta me fazendo falta tbm!! ♥

e a Marina, pqp, QUE MULHER my Gosh!! #TeamMarina
;D

'duuda disse...

essas bebedeiras inconsequentes, vou te contar hein... auheoiauhe
saudades da mia [+1]
bjbjbjbj

Anônimo disse...

Comer e correr... É a vida.

Cogumela =) disse...

Sinceramente, acho que a Mia já fez "cu-doce" de mais. Super gostei dessa ruivinha sabe-se-lá-quem-seja. Super acho que a FM está precisando de diversão... SEM CULPA! Por favor! \o/

Tbm estou nessa faze "cão-sem-dono" =D

Tais disse...

"Sorri por estiqueta"
kkkkkkkk'
Muito bom ..
Aaah que saudades que eu tava da Marina s2

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkk a FM é sensacional.. "só por etiqueta"

esse post me arrancou umas boas risadas

Anônimo disse...

saudades da Mia....

P . disse...

Tb nem tô com saudades da Mia...cu doce demais pra mim!
E gostei dessa ruiva, mesmo sem saber direto sobre ela!

O blog tá ótimo e parabéns pelo livro ;) Pretendo compra-lo! =*

Thami Dias disse...

Nossaaa só pq eu moro no Tatuape hahahah...mancaaaada