- »

maio 16, 2012

Na prática, porém...

A verdade é que não demos. Jeito nenhum. Nos primeiros dias, pelo menos, que seguiram a péssima notícia, a única coisa que demos foi uma festa. Quer dizer, a intenção até que começou bem: mexemos no currículo do Fer, cadastramos em diferentes sites e até enviamos uns e-mails. Todavia bastou uma resmungada sobre o recém-desemprego no Facebook e o perfil dele se encheu de propostas a la “te pago uma, vamos bebemorar tua liberdade!”. E as doses viravam sessões de videogame seguidas de algumas rodadas cerveja e as visitas à tarde geravam convidados bêbados ocupando o sofá à noite, coisas assim. Pois agora que o Fer não tinha nada que fazer durante o dia todo, o seu tempo era gasto na companhia – um a um – dos nossos amigos desocupados.

A Mia é que ainda não havia aparecido por lá. O que era estranho – porque como o Fer passou a ter todo tempo livre do mundo, imaginei que ela seria a primeira a estar lá; e até evitei voltar cedo demais para o apê naquela semana. Mas, não, ela não esteve. E o meu ego logo presumiu ser eu a causa disto, é claro. Enquanto, por outro lado, o seu namorado me dizia que ela estava em plena semana de prova na faculdade. Olha, se está mesmo, ela não mencionou nada quando fui na sua casa..., dei de ombros descrente, sentada quieta à mesa da cozinha ouvindo-o falar.

A semana passou voando. Trabalhei como uma condenada, pegando o máximo de horas extras possíveis (assim evitava a Mia e ganhava a grana extra pra ajudar em casa). Nestas, fiquei mais outras duas noites sozinha com a chefe na produtora, que era uma das que mais trabalhava de todo mundo ali. O que fez que a tensão entre nós, em longas e silenciosas horas, diminuísse. Ou aumentasse. Eu não sabia dizer – ela era do tipo reservada, não falava muito e nem me dava muita bola, e se mostrava realmente inteligente a cada oportunidade aleatória ou inconsciente. Acho que passei a admirá-la de outra forma, sei lá.

Isto é, não que naquela sexta-feira eu não estivesse tendo que disfarçar muito bem os meus olhares na sua direção. Quase que atraída magneticamente pela forma como o seu colo deixava a camiseta de linho deslizar sobre si, nas oscilações da sua respiração. Tá, ok, isso soou um tanto psicopata até mesmo para mim – a verdade é que eu me distraio com facilidade toda vez que me encontro trancada num quarto escritório com outra “garota”. Ela não é uma "garota". 

Lá pelas nove e tantas, despertei de repente do estado contemplativo quando me ocorreu que a padaria perto de casa fecharia às 10 e que eu ainda tinha que comprar os aperitivos – vulgo os salgadinhos mais baratos que eu achasse. Os mesmos que evitariam meio círculo de amigos de vomitar no nosso chão de madeira naquela noite.

_Que aconteceu? – minha chefe perguntou, sentada a alguns metros noutra mesa, notando a minha agitação repentina.
_Nada, eu... – respondi, enquanto arrumava meus papéis para sair – ...lembrei que preciso passar pra pegar umas coisas. Vai ter uma festa hoje no meu apê e a padaria fecha em 20 minutos, preciso correr.

“Hum”. Ela sorriu. Depois tornou a ficar em silêncio, observando na sua mesa o quer que estivesse fazendo ali até aquela hora. Argh, merda! Eu me sentia uma idiota toda vez que falava com ela ou abria a boca na sua presença. Foi falta de educação? Não convidar?, pensei comigo mesma e me arrependi de ter mencionado a festa. Enquanto isto, corria para colocar tudo em ordem e sair logo. Mas, não, por que ela acharia isto?!, balancei a cabeça e afastei a ideia em seguida. Não é como se ela fosse ter o mínimo interesse em ir numa festa de caráter duvidável e num apartamento minúsculo e desorganizado e com pessoas novas o suficiente para serem filhos dela a esta altura, me convenci. Não... Nem em um milhão de anos! Fechei então a pasta, agora já com todos os papéis dentro, e guardei-a na gaveta. Comecei então a procurar as chaves para trancá-la.

_E você? – a minha chefe me perguntou, enquanto eu ainda estava abaixada frente à mesa – Tem namorada ou o quê?!
_Eu? Não... – respondi automaticamente.

Sentei-me de novo na cadeira, já desistindo da ideia de trancar a gaveta. E por qualquer motivo idiota emendei o assunto, sem pensar.

_Na real, até tenho algo parecido com isto – tenho? –. Mas é uma longa história, é meio complicado.
_Por que complicado? – ela achou graça.
_Não é... é que... Eu... – tirei um cigarro do maço, enrolando um pouco para sair – ...eu gostava de outra menina, antes, e ela namora... um amigo...

Mano, cala a boca! Cala a boca! – fechei os olhos sutilmente, me arrependendo. Por que você está contando isto pra ela?!

_Enfim... não sei nem por que eu estou te falando isto... – ri.
_Porque eu perguntei.
_É... – concordei, meio sem graça – ...você perguntou.

Levantei-me então da mesa, já para ir embora. E só aí me dei conta de que não pensava ou falava com a Clara desde o começo da semana. Dias inteiros sem o seu número ou sem aparecer na sua casa. Porcaria... É, eu devia ter me esforçado mais para avisar a falta do celular, eu bem sabia. Que merda há comigo ultimamente, hein?! Sorri para ela, disfarçando, e peguei o cigarro e o maço sobre a mesa. Saí. O vento do lado de fora da produtora se esforçou para me impedir de acender a brasa, consegui quando faltava pouco para a entrada do metrô. Fumei metade e deixei o resto apagado ali mesmo, na calçada.

Cheguei à padaria quando faltavam 5 minutos para o encerramento dos caixas. Ufa. Aquilo era tempo suficiente para colocar cinco sacos de salgadinho e outros dois de amendoim sobre a esteira – eu não estava lá com muita grana nos bolsos. Desci mais um pedaço da Augusta e entrei para a Frei já na esquina de casa, os pacotes em dois sacos plásticos imensos. Na minha sala, ocupando embriagadamente o sofá com o som no último volume, já se encontravam um grupo inteiro de machos; duas das suas namoradas; um dos meus erros passados, da época de colégio; e o Fer. Ah é, e a Mia.

19 comentários:

'duuda disse...

aaaii tadinho do fer!
mas bora fazer festa né hahahaha
to louca pra ver a tensão da noite hahahaha deliicia de post, já estava saudosa (:

Anônimo disse...

Seria legal convidar a chefe, vai que ela aceita? imagina o encontro com Mia? hahaa
engraçado, no mínimo!

Anônimo disse...

Opaaaa!!!
É agora que a coisa vai esquentar rsrsrsrsrs
Ansiosa pela continuação!
Até agora tá ótimo, Mel,
beijo!

Dea disse...

daí a FM agarrou a Mia na frente de todo mundo, o Fer ficou puto, uns dias depois entendeu a situação, ficou de boa com as duas, saiu do AP, a Mia entrou - porque começou a ganhar dinheiro fazendo vlog no YouTube sobre a vida lésbica -, a Clara entrou também, elas passaram a viver um lance a lá Vicky, Cristina e Barcelona e envelheceram juntas, brigando às vezes, pulando a cerca aos feriados e se amando sempre. the end! *aplausos*

Ianca' disse...

Pensei que rolaria carona, pooooxa.
Pq a chefe tem esse poder sobre ela? Não acho a FM muito bocão, não mesmo, ela costuma ser inconstante, mas pq essa facilidade repentina em falar sobre si?! Tá me intrigando...
Cade o proximo? :p

Anônimo disse...

Ai, meu sonho. Foi assim mesmo. Tinha uma festa e na festa tinha a Mia. E a FM se trancava no quarto e a Mia batia devagarinho e entrava devagarinho. E eu acordei devagarinho.
Maaaaisssssssss.

Anônimo disse...

~Ah é, tem esse pequeno detalhe da Mia estar na festa. Já estava me esquecendo.~

QUEM SERÁ QUE VAI BEBER TODAS (DE NOVO) PRA ESQUECER A PRESENÇA DA MIA??? RS

Anônimo disse...

falta clara nessa festa aí.

Anônimo disse...

"ah é, e a Mia"
Aham, me engana que você não tá ligando... Senta lá vai FM.

Luiza disse...

odeio a clara. mesmo, nem dou falta! hahahhaha

Anônimo disse...

Ahhh quero a FM com a chefe dela *-*
O blog é incrível, que vicio! amanha cedo leio o próximo post no trabalho *-*

Anônimo disse...

hahahahah adorei esses comentários Suuper divertidos e descontraídos,a Mel deve se divertir um bocado.
Ps:Dea você tem os meus aplausos ;),ri muito.

Bjj Mel,sua delicinha.

Anônimo disse...

tô sentindo que o próximo post será tenso...
Bem que a chefe poderia aparecer do nada lá! hahahaha

Anônimo disse...

Adoro as festas no ape, principalmente quando elas se pegam nheee.
Cade continuação?! ja estava aflita sem post

Anônimo disse...

Saudades da Clara...

Anônimo disse...

Próximo post, por favor.

Anônimo disse...

Adoro as festas no AP. *-*

Anônimo disse...

Gostei do lance a lá Vicky, Cristina e Barcelona.Rs.

Pathy disse...

Mia no apê e o Fer bêbado.. Ou seja, pegação entre FM e a Mia! HAHAHAHA

E a Clara podia estar no apê tbm! EU APROVO :D