- »

fevereiro 18, 2011

After party I

Uma bunda. A última maldita coisa que eu gostaria de ver passar diante dos meus olhos ao final de uma noite que parecia ter durado pra sempre na pista de dança – e que agora prosseguia, interminável, na calçada suja da Augusta – era uma bunda. E não digo uma bunda bonitinha, afeminada. Não, não, senhoras e senhores. Digo uma bunda realmente bunda, bunda mesmo, do tipo branca e de homem. Com pêlos ao redor, argh... mano, ah, mano, mano, não dá!

E só de pensar – ai, meu senhor! – que o meu infeliz amigo ia, de fato, por livre e espontânea vontade, sem a menor sombra de dúvida, passar o resto daquela noite desfrutando prazerosamente daquela peça lastimável que agora desfilava descoberta e embriagada metros abaixo da saída da balada... Ai, que depressão. Era nessas horas que me batia, independente do tanto de álcool já ingerido, uma convicção tremenda de que o que eu gostava mesmo era de mulher. Mulheres, cara, mulheres e as suas bundas maravilhosas..., eu divagava passivamente, caindo de bêbada, enquanto o assistia ali, semi-nu na minha frente.

_O que diabos você está fazendo, sua bicha doida?!  

Ouvi gritarem, pouco mais acima, e do nada vi o Gui passar correndo rua abaixo, bem na minha frente; escandalizado, rindo aos montes, e indo com pressa em direção ao seu pseudo-affair exibicionista. Eu estava parada, fumando sozinha na minha, após longas horas suando numa balada lotada sem tocar em um cigarro sequer, apoiada contra um muro do lado de fora. Sagrada nicotina. Já passavam das cinco da manhã e eu mal me agüentava em pé, bêbada como nunca, tentando não fazer xixi nas calças de tanto rir do pobre Gui, que agora puxava o jeans do outro pra cima, refutando os seus argumentos de que ele era um livre-cidadão e que tinha direito sobre o seu corpo. Os dois tagarelavam de forma memorável.

O nosso grupo havia ganhado novos integrantes. Um outro casal – também gay – se agregou à nossa excelente companhia já quase no fim da noite, bem como um amigo estilosinho do DJ, que eu conhecia de vista da Outs. O plano era ir pra casa desse último, que estava nos acelerando a cada dois minutos, aliás. Todavia, eu mal era capaz de andar, tentando não escorregar para o chão enquanto perdia o fôlego num ataque de riso involuntário causado pelo Gui e as calças abaixadas do seu homem da vez. Mano, não dá, eu vou cair..., pensei já agachada, me apoiando contra o muro para não tombar mais. Eu vou cair, eu vou cair, eu vou cair..., olhei então para o cigarro aceso na minha mão, na dúvida se o largava e me segurava ou se eu... puta merda, é agora, eu vou cair mesmo.

_Vem, sua bêbada. Eu te ajudo... – a loira, que até então estava ocupada conversando com o casal, ambos amigos dela, apareceu rindo na minha frente, oferecendo as suas mãos para eu segurar.

Estou salva. Meti o cigarro na boca – como não pensei nisso antes? – e dei-lhe as minhas mãos, me levantando pouco antes de encostar no chão imundo da Augusta. Ufa. Agora em pé, abracei-a por cima dos ombros com o braço direito e terminei de tragar, tirando o filtro dos lábios com a mão esquerda. Eu estava andando mais torto do que um gambá, claro, mas agarrada numa mina bonitinha, então que se dane. Descemos a rua, apoiadas uma na outra, não muito mais sóbrias do que o restante. O Gui voltou empolgado até nós, passos acima, tagarelando qualquer besteira, e me abraçou do outro lado. Aí, sim, começamos a andar torto mesmo. Disse que a casa do cara não era longe, que já tinha ido lá e que era logo ali, na próxima esquina, e eu achei graça – estava rindo de qualquer merda que me dissessem, não é, àquela altura. E aí ele me deu um beijo, num gesto de carinho.

_Ah! Então... ele pode? – a garota contestou na mesma hora, injustiçada.
_Meu bem... Eu posso tudo! Tudo!

O Gui pulou para a nossa frente, repetindo mais algumas vezes a palavra “tudo”, de um jeito bem fresco, e eu continuei rindo, sem querer discutir. A loira – que tinha um nome, com certeza, e deve ter me falado-o em algum momento, mas eu esqueci... – nos olhava indignada. O Gui deu risada, não estava ligando muito, e aí seguiu para frente, descendo a Augusta nitidamente aos trancos, todo tonto de tequila, até esbarrar no seu affair e grudar nele com um abraço apertado.

_Você é... é... – ela ainda se revoltava, bêbada – ...sapatão!
_Hum.
_É! Não é?!
_Sim... – eu ri.
_Então, porra! Você, você não pode beijar ele!
_Ah, meu, pelamor. Aquilo não foi nem um beijo!
_Sei... – ela me olhou, toda mal-intencionada – ...se é assim... – ela sorriu, sugerindo – ...não quer me dar um não-beijo, então?
_Não é a mesma coisa – eu ri – se eu dou um beijo no Gui, é... é... sei lá, “gay”. Bicha. Não significa porra nenhuma! Você, você é uma mina, né meu... Se a gente se beijar já é... tipo... já significa alguma coisa.
_Hmm... – ela saiu debaixo do meu braço, me pegando pela mão, e achou graça – ...mas e se não significar nada? Nem pra mim, nem pra você? Hein, e se for só de bobeira?

Não fala, porra... Não fala essas coisas pra mim, garota...

_Tá. Mas isso é... é o que todas dizem, né, no começo. Até que, de repente, começa a significar. E aí fode a minha vida... – argumentei, dando o último trago, antes de jogar a bituca no chão.
_Cara, você não vale nada mesmo, hein? – ela riu.
_E você vale, hun?
_Escuta... – ela me parou na rua e eu já comecei a rir, prevendo os próximos segundos de conversa; ficou na minha frente, apoiou os braços em cima dos meus ombros, fez questão de me olhar nos olhos e eu coloquei as mãos na sua cintura, meio sem pensar, dando-lhe atenção – ...olha, eu prometo, prometo... – fez graça, sendo irônica – ...prometo mesmo, que não vou me apaixonar por você. Tá bom? 
_... – a observei; realmente tentada, de repente.
_Um beijo, vai. Só um.
_Não... eu... – passei a mão no rosto, me livrando daquela vontade imprestável repentina, e suspirei – eu tô... é... é complicado – lamentei.
_Credo, hein. O rolo é pior do que eu imaginava! – ela riu e me olhou, como se simpatizasse com a minha nítida tensão emocional – meu... – ela achou graça – não sei nem se eu quero saber...
_Não... você não ia querer saber, vai por mim.

Ri também, de novo, achando graça na minha própria desgraça, e dei uns passos mais pra frente. Ela seguiu caminho junto comigo, ainda de mãos dadas nas minhas. Fui brincar e coloquei-a nas minhas costas, já quase no prédio do cara, para ela descer a rua montada com as pernas ao lado do meu quadril e os braços ao redor do meu pescoço, clássica idéia de quem se acha maior do que realmente é. Força eu até tinha, só que eu estava bêbada demais. E aí nós quase caímos, óbvio. Rindo até não poder mais, sem poder evitar, enquanto os outros nos olhavam como se fôssemos loucas e o Gui gritava qualquer coisa na nossa direção. Os vizinhos deviam nos odiar, tenho certeza, acordando para ir trabalhar. Mas que se dane.

17 comentários:

Anônimo disse...

A mano. Esquece a porra da Mia um minuto e pega logo a menina. Que inferno.

'duuda disse...

tchê, a mia lá de frescura com o fer e a FM se fazendo pra pegar a loira, que foi descrita como bonitinha?
tem que ver isso aí hein u_u

Gravatinha disse...

ahhhh...EU PEGAVAAA! Só uma noitinha não ia dar em nada...UHAUSHAUSHAUSH
O problema seria se a tal mina se apaixonasse...
Mas por outro lado, pelo que a GFM sente pela Mia, acho que ela deveria preservar....infelizmente ou felizmente acredito que o alcool não permitirá....AUHSIUAHIUSHAISH
ELE NUNCA DEIXA passar uma oportunidade dessas!

Letícia disse...

Aaaaaaaaaaaah, quero saber o que ouveeee! :S Esquece a Mia um segundo e agarra essa Loira ai, por mais que não goste de loiras! KSOASPAOSKAPOSKPAOSKAPOKSA

Náh disse...

Eu pegava e ainda dava continuidade na casa da FM na frente da minha pra ela ter medo de perder, pq qnd esse medo surgi mtas coisas mudam, como eu queria um não beijo..hahaha

Anônimo disse...

a mina tda facil e a fm achando dificil recusar kkkk apaixonei pela loirinha!

Pathy disse...

Pega logo Devassa e Depois pensa no que vai dar!! :D

A mia poderia ficar sabendo tbm..um pouco de ciúmes é sempre bom!! hauahau

Amanda disse...

Ah, acho o mesmo que a Nah! A Mia tá muito palhacinha folgada fazendo o que quer e o que não quer, isso tudo só porque tem dois (sendo que um é um homem). Então, acho que a FM tem todo o direito de ter outra, ainda que essa outra seja loira, né?

=*

Dê disse...

Aeee gnt, só tem beeeesha má aqui hein?! Todos querendo que a FM pegue a guria e explane pra geral pra fazer ciúme pra Mia kkkkkk mas super acho q a Fm devia pegar a guria sim e contar pra Mia, seria honesta e de quebra faria o q geral aqui quer... sem contar q mostraria q ela ñ vai esperar mto.

Pri Araújo disse...

Pááára, como que a loira chega e pede um beijo? Não se pede um beijo, principalmente pra alguém que você conheceu na balada, já chega beijando, pô! hahahaha
A loira demorou e deu chance da Devassa ficar pensando na Mia, masss ainda acho que vai ter pegação.

Anônimo disse...

Quisera eu ter esse sex appeal todo da Devassa HSIUAHSA

( the girl fucking Mia ) disse...

ATENÇÃO: NOVIDADE!

Galera, tem uma promoção rolando... inventada pela minha amiguíssima, Noelly Castro, vamos dar um adesivo LINDO do blog para quem fizer o melhor comentário em qualquer um dos três posts de hoje ("After party I", "After party II" e "Sexta-feira, baby!").

Sério, ficou uma graça o adesivo... então, caprichem nos comments! ;)

Cogumela =) disse...

COMOASSIM? A FM é loira?
¬¬

Ela não pode ser loira!
Que coisa mais #txautesão!

Não! Não! Mel, pode pintar o cabelo dela, vai!

=*

Milk :D disse...

eeee Devassa, desse jeito fica difícil viu, deixe as outras garotas pegarem esse espaço que pertence à Mia aí no seu coração hahaha..
cada vez melhor esse Blog viu, sério, eu AMO isso aqui (não é a toa que eu farei uma tatuagem escrito "-Fucking Mia ♥" haha)

Monica disse...

kkkkkkkkkkkkkkk

eu tenho certeza de que tava nessa cena ae...

tds saem da Augusta em rolës parecidos... soh pode ser isso

=)

A_lips disse...

Ah eu também reparei..
a Fm é loira e rejeita loiras!hahahaha

Ta faltando ruiva nesse blog!

'ah,a vida- pode ser medo e MEL quando você se entrega'

POSSSSSSSTA LOGO

R. disse...

carambaa, a FM resistiu a loira firme e forte entao haha

sinto falta desse pós balada ainda embriagada :x

e cade a mia? .-.