- »

fevereiro 02, 2011

Do lado de lá

Um Mississipi, dois Mississipi, três Mississipi... doze Mississipi, treze Mississipi, quatorze Mississipi, quinze Mississipi... e vira. Um Mississipi, dois Mississipi... quatorze Mississipi, quinze Mississipi... e vira, de novo. Assim eu seguia, milagrosamente em pé antes da hora, no meu ritual rumo ao queijo quente de frigideira perfeito. Mal-vestida num samba-canção honestamente roubado do Fer, com uma regata branca velha e um ótimo humor. É que acordar com tempo suficiente para um café-da-manhã decente é tão raro na minha vida, entendam, que tais ocasiões merecem recompensas à altura. Mesmo que a louça conseqüente não me anime nem um pouco.

Foda-se, eu tenho tempo, sorri e virei novamente o meu futuro lanche-mega-delicioso no fogão. Meus pés, aos poucos, começavam a se incomodar com o piso frio da cozinha e eu pensei que deveria ter ficado de meia. Olhei mais uma vez para o relógio na parede, entre quinze Mississipis e outros quinze do lado oposto, e notei as horas. 7:04. Sequer lembrava quando fora a última vez que eu estava de pé assim tão cedo. Maravilha. As fatias de pão-de-forma já mostravam os primeiros sinais de que iam dourar por fora e o queijo começava a derreter entre elas, me deixando realmente com fome. No meio do processo, ouvi o Fer entrar pela porta que dava no corredor.

_O que você está fazendo aí? – percebi-o se aproximar atrás de mim.
_Pode tirar o olho, hein... é meu café-da-manhã.
_Não falei nada... – ele veio para o meu lado e se apoiou na pia, com os antebraços na quina, roubando um pedaço do queijo que eu deixara fora da geladeira; enrolou uma fatia, olhando sei-lá-por-quê para a minha roupa, e depois comeu um pedaço – ...ô, essa não é minha?
_O quê? A cueca?!
_Acho que é, não é? – perguntou, meio indiferente, mais interessado em terminar o queijo em suas mãos do que em saber a resposta; aí me observou, distraído, conforme eu confirmava.
_É, sim.
_Espera... e isso? – empurrou o meu cabelo para trás, descobrindo o meu pescoço, e riu, sentando-se na pia quase de frente para mim – isso aí não é meu. De quem é, hein?
_Ninguém, babaca.
_O que? Vai dizer que você se queimou aí com a frigideira? – ele riu, pegando mais uma fatia do queijo, largado ao seu lado, e me enchendo de propósito.
_Ai. Sai daqui, vai... – eu o expulsei, ameaçando-o com a espátula suja, sem querer discutir o chupão que a sua namorada me rendeu na noite anterior. E ele achou graça.

Descendo da pia, deu alguns passos atrás de mim, até a geladeira, e tirou um resto de suco da prateleira de baixo. Bebeu-o direto da caixa, enquanto procurava pelo cereal no armário. Já estava arrumado, mais do que o normal para uma manhã de quarta-feira, pronto para ir trabalhar. Com uma calça jeans limpa, barba feita, regata branca e uma camisa preta de manga curta aberta por cima. Estranhei, geralmente ele veste qualquer coisa; mas que seja, voltei para o meu queijo quente. E pronto. Retirei-o, feliz, com a espátula e coloquei-o num prato vazio que aguardava na pia, ao meu lado. Aí peguei uns guardanapos e me sentei com o Fer na mesa, esnobando o seu café-da-manhã comum com o meu lindo sanduíche.

_Acordou cedo por quê?
_Sei lá, caí da cama. Levantei tão de boa hoje, acho que dormi bem. Nem tocou o despertador ainda, acredita, meu? Tava programado pras sete e cinqüenta só. Vai entender... – mordi o primeiro pedaço do meu queijo quente, magnífico, e olhei para o Fer conforme mastigava aquele pão crocante delicioso – e você? Tá todo arrumado aí, hein... Que é?! Foi promovido?
_Promovido a ficar no mesmo cargo por mais dois anos, né, só se for... – revirou os olhos, frustrado com o emprego, sem perspectiva alguma – ...nem, meu. Vou encontrar a Mia hoje, saindo de lá... pra “conversar”.

Ô, merda. Como eu fui me esquecer disso?!

_Hum... boa sorte, eu acho... – tentei soar natural.
_Valeu...
_Vocês... vocês estão bem? – continuei, forçando certa indiferença.
_Ah, acho que sim. Ela me ligou ontem, falou um monte, eu tava no trampo e aí como eu não podia conversar direito, a gente marcou de se ver hoje. Mas ela também não queria vir aqui, começou de novo com essas frescuras, sabe... Ela anda toda estranha com essas coisas, então vamos jantar em algum lugar aí. Sei lá, a Mia é cheia desses chiliques. Mas acho que ela nem tá brava mais, não parecia pelo menos.
_É? O que ela disse?
_Sei lá, falou um monte de coisa. Disse que estava exagerando aquele dia lá, que gosta mesmo de mim. Ficou toda sentimental no telefone. Foi meio do nada, disse que tava com saudades, não entendi porra nenhuma. Não sei mais o que faço com ela, meu...
_Como assim?
_Ah, mano... eu curto ela pra caralho, a gente se dá mó bem. Porra, não entendo essas coisas! Cada vez ela inventa uma, saca? Parece que o problema sou eu.
_Ué. Mas não era só o lance lá da... da festa?
_Era. Ou não é, não sei. A gente sempre discute e resolve as coisas logo depois, isso que eu não entendo! Às vezes, acho que ela só quer uma desculpa pra terminar comigo, manja? Ela... Não sei, ela... fica distante, do nada; não quer fazer nada, não quer vir aí, não quer porra nenhuma comigo – argumentou, incomodado, deixando a colher de lado no prato e se explicando – mas aí depois ela volta toda, sei lá, normal. Diz que me ama, pede desculpas, inventa mil problemas em casa... e nem sei se é assim, saca. Os pais dela são mó de boa. Eu acho que é tudo coisa dela, manja, mas aí, meu, a gente fica bem de novo. Tipo, como se não tivesse acontecido nada, porra nenhuma, tudo lindo e azul no Paraíso. Não sei, é estranho.
_Ah, Fer, mas... todas as meninas são assim, mano.
_Eu sei, só que... só que não era, cara. A Mia não era assim. Juro que não era, ela era muito sossegada. Faz, sei lá, uns meses só que ela tá nessa de...
_De...?
_De, não sei, surtar o tempo todo. Me ama num segundo e, no outro, não quer nem que eu encoste nela, quer ficar sozinha. Antes a gente não conseguia nem tirar as mãos um do outro, porra! E eu curto ela pra cacete. Sabe, eu sei que ela gosta de mim, porque ela... ela demonstra isso, saca, mas... Puta, mano, é foda. Mulher é foda.
_Nem me fale... – arqueei a sobrancelha, encarando a mesa, sem coragem de olhá-lo.
_Cara, vai ser a mesma história de sempre. Você pode ter certeza. Quer apostar quanto que eu vou entrar lá hoje e ela vai querer que eu vá com ela pra casa, vai fingir que nem aconteceu, que nem tava brava. Mano... conheço. Tô falando, meu, aposto o que você quiser.
_Uhum... – empurrei o prato, discretamente.

Um queijo quente, perfeito. Perdi a fome.

14 comentários:

Carol Spenser disse...

aeee o Fer reapareceu, já tava sentindo saudades dele *-*

cigarrosdebaunilha disse...

Fer, larga a Mia e seja meu. :/

HAHAHAHA brincadeira, né... Tá magnífico, Mel ♥ seu jeito de escrever me deixa arrepiada, é tão... naturalmente perfeito. Acho que já disse isso, mas é bom repetir. :3

Sou louca por esse blog! ♥

Letícia disse...

Bom Bom Bom! *--* #FuckingMia

Amanda disse...

Own, Fer.. Pobre coitado todo fofinho e não percebe que essas bipolaridades da Mia são sinais. Quando ela volta amando é uma esperança de ainda existir algo de bi nela, eu acho, mas ah, com a FM ali perto, acho difícil...
Quero mais, quero mais!

=*

A disse...

ps: Fiquei com vontade de comer um queijo quente.

R. disse...

coitada da FM .-.
Espero que o fer teja errado
e desculpa a minha ausencia por aqui, a minha vida ta uma loucura.

jamile disse...

mel perfeita como sempre :)

Ianca' disse...

eei Fer, ixxi, tô sendo chifrada então?
a mulher vive nesse dilema, parece a Mia, caralho minha cabeça pesando, moooooooooon'

Marina disse...

Mas tem gente q merece ser corno neh?!
FM cara de pau como sempre
E eu podia apostar q a manhã dela seria estragada com isso qdo li ela acordadno antes da hora :P

Ana Lívia disse...

‘Um Mississipi, dois Mississipi, três Mississipi...’
AAAAh, Melissa! Pode-se dizer que ganhei o dia só por ler isso no começo do post!
HAHAHAHA, amo meu relogio de paredee contado em mississipi.

ps: cada vez mais me convenço do quanto vc é nerd.

Anônimo disse...

Ai Ai e esse ciúme em ?? AOO sentimento que doe .

Andrea de Lima disse...

fiquei com vontade de queijo quente, nham! tou sentindo que em breve irá acontecer o que você disse que iria acontecer. o clima tá pesando... vixe, vixe!

Anônimo disse...

como se faz queijo quente ? rs

Lu disse...

Impossível não associar, né? AMIZADE segundo a FM: lavo as cuecas,em troca vc me empresta: a cueca e a namorada! Justíssimo! :P
Obviamente, uma visão muito simplista dessa confa! :)