- »

fevereiro 08, 2012

A Flexibilidade

A verdade é que, sim, intimidava. A minha chefe ou qualquer outra. Por mero conceito, ascensão etária. Mulheres mais velhas, a sua instigante autoconfiança e as irreveladas noites que já detinham em sua experiência de vida. Eu achava isto fascinante. E lhes era eu, por outro lado, facilmente decréscimo – como não o era em para outras garotas da minha idade. Me mantinha sempre, portanto, à distância; o que não era lá do meu feitio. Em raras ocasiões encontrei-me dando em cima, de fato, em mulheres mais velhas. Intimidada de verdade. Não que a idéia não tenha cruzado a minha cabeça, isto é.

Até mesmo a mãe da Mia cruzara minha cabeça, deus! Imagine alguém que – trocadilhos à parte – estava diretamente acima de mim e que passei a encontrar com frequência pelos corredores da empresa. Digo, era evidente que hora ou outra os meus pensamentos deixariam o “gata pra caralho”, como eu bem disse à Marina, e tomariam um rumo realmente imprestável dentro da minha mente sem muito controle, ainda que eu não fizesse nada a respeito. Para a Clara, com quem eu estava trocando incessantes SMS diariamente e que se divertia com as minhas atualizações sobre a roupa ou determinada palavra que a minha chefe descolada usara no dia, a minha demissão era iminente.

Por justa causa, claro.

Àquela altura eu já estava trabalhando na produtora há pelo menos dez dias – em inúmeros projetos, clientes, prazos etc. – e horas extras já haviam tornado-se frequentes. Quase diárias, para dizer o mínimo. E foi numa dessas que eu me vi, às nove e quarenta da noite, sozinha com a minha chefe. Vestida, conforme reportei à Clara lá pelas oito, numa camisa social estilosa branca e num colar com uma pedra imensa cor ferrugem pendurada, revelada por um decote magnífico. Puta merda, escrevi no SMS.

Estávamos trancafiadas no estúdio de produção terminando, ela, uma pilha de documentos para analisar e eu, o checklist infindável da gravação da manhã seguinte. Não trocávamos muitas palavras além do demandado pelo dia-a-dia dos projetos; aliás, eu mal o fiz com qualquer outro colega desde que começara no novo emprego. Pouquíssima troca de informação pessoal. É, estava querendo mantê-lo.

_Então... – a minha chefe disse, numa mesa a menos de dois metros de onde eu estava sentada, atrás de alguns papéis empilhados – ...qual é a sua?
_Hm?! – ergui a cabeça, sem ter escutado direito.
_“Qual é a sua”... – repetiu calma e ergueu os olhos por um instante, sorrindo, antes de voltar a rubricar o documento que tinha em mãos.
_A “minha”?!
_É... – riu, agora sem me olhar, focada no papel e com dois anéis prateados no dedo anelar – ...está rolando uma aposta entre todo mundo na empresa.
_Uma aposta?
_Se você gosta de meninos ou meninas...

Comecei a rir na mesma hora, em silêncio na minha, e ela me observou enquanto achava graça. Brevemente, voltando logo os olhos ao documento. Me ajeitei então na cadeira – estava quase afundada, com um dos braços sobre o encosto, largada trabalhando – e apoiei os antebraços na minha frente, na beirada da mesa, pondo-me a encará-la. Ainda que não devesse. Não respondi, esperei que me olhasse de novo. E alguns instantes depois, sem ouvir nada de mim, ela prosseguiu, ainda sem tirar a mão esquerda de uma folha apoiada na mesa. Notei as marcas sutis no decorrer do seu braço, semelhantes a sardas, destas que vêm com anos de sol.

_Não se preocupa... – ela disse, enquanto assinava a parte inferior da página – ...esse tipo de comentário é comum por aqui.
_Não estou preocupada... – respondi e sorri, tranquila; ela subiu os olhos novamente na minha direção – ...só... – prossegui – ...curiosa para saber em qual dos dois você apostou.
_Eu?

Ela riu e eu a encarei fixa, como se dissesse “é... por que não?”. Transmitia calma, autoconfiança. Enquanto no fundo, todavia, sentia-me como se dividisse um cômodo com a Catherine Keener num dos filmes do Neil LaBute. Que era como metade das minhas fantasias começavam... ou seja, eu já estava tensa.

_Bom... – fez pouco caso – ...acho que você gosta das meninas.

Certo. Deslizei um pouco na cadeira, ainda observando-a. Comecei a brincar com um isqueiro que estava sobre a mesa, entre os dedos da mão direita, mas sem deixar de prestar atenção nela. Não me sentia intimidada, não naquele instante – certamente pensaria sobre aquilo, em retrospectiva, e me incomodaria (muito) por conta própria –; mas naquele segundo encarava-a de volta com naturalidade.

_E você? – perguntei – Gosta?
_Sou casada com o meu sócio – respondeu direta, sem dar-me muita bola ou se incomodar com a pergunta – há quase quatro anos. Fui “heteroflexível”, por assim dizer, quando era um pouco mais velha que você, por alguns anos – pareceu brincar –, mas mulheres são complicadas demais. Muito drama.
_Hum... – segui olhando-a, fixa – ...pelo contrário, eu acho as mulheres fascinantes.

Arqueou as sobrancelhas e sorriu, sem indicar se concordava ou não, desviando brevemente o olhar para baixo, nos papéis sobre a mesa. Parecia-lhe um assunto sem importância, já superado. Terminou de assinar – a mesma página de antes – e, logo depois de encerrada nossa conversa, cruzou novamente o olhar com o meu. Demoraram-se alguns milésimos, os meus olhos nos dela, encarando-os fixamente. Não conseguia evitar um meio sorriso impensado, contagiada pela leve imprestabilidade que, agora sim, dominava minha cabeça e transparecia ainda que sutilmente nos meus gestos. Observava-a muito calma, o tempo todo. E ela não se intimidara de volta.

_Você parece dar trabalho às suas meninas... – comentou e riu, voltando os olhos aos documentos sem abalar-se comigo.
_No, ma’am... – ri, descarada, já retornando ao checklist.

Nem um pouco...

19 comentários:

Vi disse...

Meeeeeeeeeeeeeeeu, post GÊNIO. Um dos seus melhores! De longe!!! A sutileza e como tudo ficou nas entrelinhas, consegui imaginar direitinho as duas conversando num estudio sozinhas , o resto da empresa em silêncioe de noite... demais demais demais demais. Como você consegue, Meeel?? Amei muito!! Adorando a provocação com a chefa, rsrss

Anônimo disse...

Pqp. Catherine Keener!!! *-*

Anônimo disse...

Nossa, ñ sei se foi vc ou se é a chefe, mas me deu um caloorrrr lendo isso aqui... FIQUEI TENSA cara e nem rolou nada 'kkkkk

Ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeei! Qro mais logooo Mel!!

B. disse...

Geeente.. não sei o q me deixou mais de cara, se a informação inesperada da chefe ou a indiferença meio interessante dela!
E a FM dizendo q não dá trabalho... hahahahahaha!! Descarada!
Woooow... quero maaaais!!

Vivi Côrtes disse...

Que post foda!
Essa chefe dela, sei não... Tenho certeza que elas ainda vão se pegar. Ainda mais com esse comportamento "héteroflexível" dela num passado não tão distante.
Adoro essa imprestabilidade da FM, rs.

Anônimo disse...

Nãooo, mais concorrência para a Mia.
Mass tirando isso adorei o post

c' disse...

gnt muito bom isso. Heteroflexibilidade, adoooorei isso. Adorei a indeferenca da chefe, e ainda mais o tudo qe ficou claro nas entrelinhas. Muito bom o post, ja qero o desenrolar dessa historia.

'duuda disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
prevejo muitos posts com essa chefe, hein........... sem mais.

Anônimo disse...

Vão se pegar nada, essa chefe vai mexer com a cabeça dela sem mover um dedo e deixar a FM enlouqueciiiiiiiiiiiiiiiida kkk certeza!!!!

Bibi disse...

Devassa como sempre né!!! kkkk

Mas e o ♥?? Já esqueceu a Mia??
Eu duvido rs ^^

"You are the girl that I've been dreaming of ever since I was a little girl." ♫♪

Ana Paula disse...

Ahhhhhhhh a Devassa está de volta e com a bola toda agora a coisa vai esquentar adooooooooro!

Anônimo disse...

Que post interessante, rs. Não deixa a gente curiosa por muito tempo Mel, por favor :(

Anônimo disse...

"heteroflexível"? Haha...acho que isso é um convite do tipo: menina, se vc investir vai ter.

MangaR disse...

Ui, isso pode render boas horas extras. Tô tensa. =p

Monica disse...

Catherine Keener

OH SENHORRRRRR

vou morrer de tesã~~~~~[erase] emoçao :)

Dea disse...

bem que você disse que esse era da série "coisas que você já sabia que iam acontecer". e sabe o que mais fantástico? mesmo quando eu já sei, a graça continua. eu leio com tanta empolgação quanto num post totalmente inédito, porque eu quero ver como ficou, o que mudou, como foi detalhado... ai ai, é lindo demais. e eu sempre vou me impressionar com a incrível capacidade de mulher maravilha que a FM tem de mudar de humor quando tem mulher nova na jogada, hahahaha! aposto que nem nem deve ter pensado na Mia ;)

Anônimo disse...

FM vai pegar a coroa... Esse "heteroflexível" não convenceu muito... Hahaha

Demais o post! :)

Ianca' disse...

Super adorei e li toda empolgada,não curto quando aparece uma "mina nova" pra FM, mas agora me deu um gááááás hahaha até esqueci Patti u.u

Juliana Nadu disse...

HAhahahhaa aiii que deliciaaa!!!

Adoro mulheres mais velhas!!

Delicia! rs