- »

fevereiro 17, 2012

Noite-a-noite (2)

Falou a que está distribuindo senha para meia São Paulo, pensei comigo mesma ao ouvir a Clara falar. Mas ela tinha certa razão no que dizia. Dei de ombros, dando-me facilmente por vencida e arqueando a sobrancelha, concordando. Como se pouco ligasse. , eu bem poderia ter dado uma de ofendida, me expressado contra a calúnia, indignada e tal. Mas sabia que a verdade não a incomodava. Então, pra quê me dar ao trabalho? Não era que gostasse, de fato, de tudo o que passava pela minha frente – longe disto, aliás. Eu apenas, digamos, era capaz de achar charme em cada um dos aspectos femininos. E com frequência. E eu sabia disto.

_Você nunca deve ter dito um ‘não’ na sua vida, né...
_Claro que sim. Várias vezes, meu... – discordei, soltando a fumaça no ar.
_Vai... Umas, o quê? Duas vezes nos últimos sete anos?! – riu.
_Besta! – ri também, observando-a e virando o corpo na sua direção, apoiada de lado na janela – ...quê, cê acha que eu não tenho critério nenhum, né?
_Não, sei lá, só não te imagino recusando mulher...
_Nossa, mano... claro que não. Acho metade das minas que tem por aí chatas pra caralho, não tenho paciência, meu. Só pego alguém que não tô afim se não tiver mesmo mais o que fazer. Tipo, tédio absoluto na mesa do bar ou numa balada muito porre, aí até rola... – traguei mais uma vez – ...e a garota ainda tem que fazer um esforcinho, cara.
_Aham...
_Verdade!
_Hum... E o que você acha pior... – iniciou uma hipótese, divertindo-se deitada na cama, ainda com os seus óculos e as pernas descobertas – ...se a pessoa não tem critério nenhum ou se ela tem interesse real por outras, e muitas, garotas? – esticou os joelhos, erguendo os pés ao alto no ar, movendo-os e os olhando à toa – Digo, quando se está com alguém que se gosta.
_Acho bem pior... – respondi e a olhei brevemente na cama, ao meu lado – ...quando a pessoa fica fazendo este tipo de pergunta cretina.
_Ah! Eu sou a cretina?! – ela riu, com ironia.

Colocou os pés no colchão e ergueu-se um pouco, apoiada nos cotovelos, me encarando indignada. Eu ri, também.

_Meu, você sempre vai ser. Você sabe que sempre vai ser. Pelo menos, enquanto formos eu e você em questão, né...
_Ah, é assim então? – jogou uma almofada pequena na minha direção, brincando – sério, meu, foi tão imperdoável? Tipo, vou ter que ficar pagando pra sempre...?!
_Óbvio – ri.

Ela balançou a cabeça e deitou mais uma vez para trás, no colchão. Eu ri mais um pouco, apoiada em pé contra a janela e a olhei por alguns segundos. Você é uma figura, garota. Admirava-a por ser quem era. Crua. E sem ser óbvia. Isto fazia-me sentir mal, por não ter sido sincera com ela, por não estar pagando pela minha parte naquela história. Os meus olhos perderam-se por alguns instantes, reflexivos. E voltei em seguida à realidade, um tanto determinada.

_Não foi imperdoável – comentei então –, na verdade... – continuei o assunto, apagando o cigarro no cinzeiro da mesa de cabeceira – ...não deveria nem ter sido tão absurdo assim. Eu é que...

Voltei para a cama, sentando na perpendicular dela, com as pernas esticadas e apoiada contra a parede na lateral. Há alguns dias lhe contara a minha reação na época, após vê-la com a garota, as semanas de mau-humor constante, a festa que fizeram para me animar. Me olhava, agora, prestando atenção ao que eu ia dizer. Com os seus olhos castanhos, argentinos. Sutilmente linda, ah, como o era.

_...eu que levei mal o lance todo. Não sei... – continuei, falando quase que para mim mesma – ...fiquei com o ego ferido, sabe? Eu, sei lá, eu gostava mesmo de você. Assim, não que a gente tivesse alguma coisa... Mas, não sei bem. Lembro de ter pensado, na época, que poderíamos ter durado meses e que você havia estragado tudo, só que, a verdade é que... eu também não estava sendo completamente transparente com você. Foi tudo muito confuso.
_Como assim? – seus dedos acariciavam a minha perna e ela me ouvia, afundada no colchão.
_Sei lá, meu. Eu devia ter dito que me importava, devia ter te dito o que você era para mim, o que sentia por você... – respirei fundo – ...e também o que sentia por outra pessoa. E eu, eu não disse.

Os seus olhos me encararam surpresos. Suspirei. Tá, agora vai...

_Sabe, quando... – fechei os olhos por um instante e os reabri, voltando-me a ela – ...você me perguntou? Por que eu estava chorando aquele dia, lá na minha casa...
_Hum-hum.
_A real é que eu fui... – respirei fundo, mais uma vez – ...por muito tempo, apaixonada pela Mia.

16 comentários:

Ianca' disse...

FUI? Como assim? FUI? Quando isso foi postado? Eu entrei no blog por puro reflexo e tinha post novo oO

Explica Meeeeeeeeeeel

'duuda disse...

cortar esse tipo de diálogo pela metade (metade? enfim...) NÃO É DE DEUS, MEL. NÃO É :~~~~~~~~

Pris disse...

Entendo perfeitamente o estado da FM rs. Acho que nem preciso dizer porque ..

Anônimo disse...

Mais um post foda, muuuuito bom Mel :)

Anônimo disse...

Mel, e o seu dom de deixar as leitoras curiosas hauahuahauhauh =\

Flavs disse...

Eu só espero que a Clara não tenha um surto e coloque a FM pra fora :(

Anônimo disse...

NÃO PARA ESSE DIÁLOGO NO MEIO, MAAANO! ;(

Bibi disse...

FOOOOOOI?????????????????
Noosss quero nem ver no que isso vai dar... Na vdd quero sim vai..=/

Pathy disse...

Fui????? Melissa de Miranda.. vê la hein. 1º a Devassa vem pensando muito na Marina e agora esse "fui apaixonada pela Mia".. aiaiaiaia
Já vi que vou surtar!! hahahahahah

jamile disse...

fui????????/

Anônimo disse...

Não acredito. Como tu tem coragem, meu? Parar um diálogo desses assim. Isso não é coisa que se faça com suas leitoras fieis, Mel. Puta falta de sacanagem! Quero mais =[

Maria Liliane disse...

Poha! Nem sei o q esperar... Um "Eu já sabia" inusitado? Será? Às vzs eu acho q vc só se tornou escritora por não arrumar um emprego como CARRASCA, manola! Pq tu faz tortura, mano! Pra saber o q vem depois... ;)

Dea disse...

- fui (e aindasoumasnãoqueroadmitir) por muito tempo apaixonada pela Mia.

eu daria a vida pra ouvir o sotaque da Clara. até arrepiei só de pensar!

c' disse...

gente tenho muito oq falar sobre esse post. Começarei:

tudo bem a fm é o nosso exemplo de devassa, adoro o jeito dela: de sou foda e pego todas. Juro qe se eu fosse solteira super me inspiraria nela, mas da onde ela tirou esse fui gente? Como assim fui? Qem FOI apaixonada nao tem aqele tipo de discuçao qe ela teve com a mia, simplismente ignora a existencia da outra. E depois da discuçao ainda chora, se qestionando varios pqs. Fui, ah ta boa.

outra coisa, mel é maldade demais vc parar um dialogo desses no meio gnt, nao, nao, nao pode, tem qe ter mais e logo. Gente qe situação essa. E o pior qe tenho certeza, vc vai torturar todas até o fim do carnaval. Isso é maldade demais.

ps: vou dormir com esse "FUI" na cabeça.

B. disse...

Ela fooooooooooooooi?
Como assim? Temos uma nova fase?
To rezando, orando, fazendo macumba e tudo o q for possível para q sim!
hehehehe...
Mas, sério, espero q essa confissão só aproxime mais a FM da Clara!
Ansiosérrima pelo próximo post!!!

L. disse...

Adorei a sinceridade da FM com a Clara, e pô, porque ela não pode colocar a paixão pela Mia no passado? Eu vejo as leitoras daqui, que ficam falando teamClara, teamMia, team-sei lá o quê, mas se esquecem que, a peça principal é a FM. Ela preza pelo hedonismo, pelo prazer imediato, mas porque ela não pode ter consciência de que o lance com a Mia é totalmente negativo? Quando uma coisa faz mal a gente, mesmo que a gente tenha um amor absurdo, é preciso deixar algumas coisas pra traz. Eu não sei quando a história da FM vai acabar ( ou se vai acabar algum dia), mas eu não espero um 'felizes para sempre' com a Mia. A FM é de verdade, tanto quanto eu, ou você, ou o padeiro ali da esquina. Ela é a junção de diversas pessoas (creio eu, próximas a Mel). Ou é um alterego da Mel, ou é a Mel disfarçada, hahaha.

Enfim, viajei demais aqui né?

Espero o próximo post, pra saber a reação da Clara (aposto que não vai ser absurda, como a da Dani).

Beijo ;*