- »

março 24, 2011

Dúvidas, impulsos e uma mentira

Péssima, péssima escolha. Olhava, numa atitude intragável, para o fundo do copo baixo em minhas mãos; um resto de whiskey tingia o balcão vermelho por através do vidro, deixando-o amarelado. Encostada de corpo inteiro contra o bar, com desgosto, eu via podridão em tudo – nas cores, nos líquidos, nos sons, estridentes; nas pessoas dançando –, por que mesmo eu vim? A Lê já havia desistido de me fazer dançar com ela, arranjou qualquer garota descartável, fácil. Eu não estava no clima. Não estava no clima para porra nenhuma.

Engoli o restante de álcool no fundo do tal copo e deixei-o novamente sobre o balcão, pedindo para o cara enchê-lo mais uma vez. Eu não deveria ter saído de casa, observei o vermelho agora torto, deformado pelo vidro vazio, eu estava tão bem. Havia conseguido o telefone da garota, a loira, já devidamente anotado no celular, metido no bolso de trás da minha calça; me entreti o quanto pude com a minha nova playlist gênia e esqueci a porra da Mia por um par de horas, distraída. Eu tenho merda na cabeça, só pode..., dei um primeiro gole na nova dose. Mano... Achei, de verdade, que isso me faria bem? Não, o ambiente escuro e abafado, insuportável, daquela balada havia me enfiado com tudo de volta à minha bad; eu estava rezando, implorando para ir embora logo.

Nenhum sinal, contudo, de uma partida iminente.

Um babaca de jaqueta jeans e camisa dos Pistols, metido a moderninho, me enchia o saco, invariavelmente grudado ao meu lado; e eu o ignorava. Homens são como cachorros – não importa o tamanho da migalha: se você joga um só pedacinho, eles não saem mais do lado da mesa. Assim ele insistia, soando mais culto do que provavelmente era, falando coisas como o quanto Jack Kerouac mudara a sua vida no ano anterior. Eu precisava sair dali. Olhei por cima do meu ombro, para a pista, e a Lê seguia com as coxas metidas entre as pernas de uma qualquer. Ahh foda-se, decidi, estou caindo fora.

Saí, com gosto, sentindo a brisa agradável da madrugada paulistana me tirar subitamente daquele inferno. Já o astral permanecia, claro. Tirei o maço do bolso e acendi um cigarro, meio sem jeito, protegendo a brasa do vento enquanto o fazia. Dei a primeira tragada, pensando nos olhos inchados da Mia naquela tarde, aí retirei o filtro da boca e deixei uma fumaça morna se espalhar o ar. As palavras da Marina continuavam ecoando na minha cabeça... deveria mesmo ter sido diferente, a essa altura. Por que, então, não foi?! Por que não disse que me amava? Por que, mano, por que diabos não disse nada? Ora achava que a culpa era dela, ora sabia que fora a minha ansiedade estúpida que me metera naquela situação.

Mas por que, por que ainda não disse?

Mais uma tragada, suspirei; agora eu decidia como faria para sair da Barra Funda e voltar para casa. Observei o movimento na rua, paciente. Até me dar conta de que eu estava bêbada, realmente bêbada, sozinha... e longe pra caralho da Frei Caneca, mas que merda. Traguei mais uma vez. E com o meu par favorito de tênis, bem lembrei, carésimos. Peguei o celular e olhei as horas – 03:17. Eu tô fodida, ri sem acreditar naquilo e soltei a fumaça. Lembrei do Fer, por um segundo; da sua raiva no apartamento, naquele corredor estreito. A intensidade da briga voltava à minha cabeça, incômoda. O mero pensamento me embrulhou o estômago – ou talvez fosse o whiskey, sei lá

Contei os meus trocados restantes do absurdo que paguei na saída da balada, mas não tinha o suficiente para um táxi, não mesmo. Quis, então, ligar para a Marina vir me resgatar, mas não tinha coragem – não àquela hora, não depois do meu surto grosseiro de horas atrás. Apoiei as costas contra a parede da balada, minhas pernas estavam instáveis e embriagadas. Inferno. Agachei, desejando simplesmente não existir; aí me sentei naquela calçada suja, direto no chão. A imagem da Mia deitada, completamente nua, no chão do banheiro da sua casa me surgiu nítida na memória. Aquilo me perturbava.

Encostei a cabeça no concreto da parede e aproximei os pés do meu corpo, levantando os joelhos, só então apoiei o braço direito num deles. Esta mão rodava a minha lista de contatos do celular, enquanto a outra segurava o meu cigarro ainda inacabado. Os meus pensamentos confusos me atrapalhavam. Pressionei o nome da loira, a mesma do Vegas. E esperei tocar algumas vezes, sem raciocinar. Até que ela atendeu, também embriagada, provavelmente na rua. Perguntou-me quem era e eu expliquei, num mínimo esforço, ela pareceu rir do outro lado da linha.

_Então, pensei sobre aquele beijo... – menti.

Na verdade, não.

22 comentários:

Letícia disse...

aaaaaaaah faz assim não Meel!
KPSOAKPAOKSPOK
Outro, Outro Outro, quero saber o que a FM vai fazer !*-*

Ma disse...

Aaaaaah! Aaaaaahhhh!
Sou muito filhadaputa por ter amado esse post? Hahahaha
Na verdade por ter amado o último ato da FM... Fiiiiinalmente alguma ação! Hahahahaha

Ótimo! Amei!
E feliz aniversário beeem atrasado ae! Hahaha ;*

Tatiana Farias disse...

Parar aí complica, né dona Mel?
To aqui doida pra saber o que vai rolar com essa loira!!!

Beijo! :*

Pathy disse...

E la vamossss nós.. GO FM!! *___*

Dê disse...

Gostei mto do post e é bem isso ae mesmo... FM já fez o que podia pra estar coma Mia, tá sempre correndo atrás, se ferrando, já disse que a ama... a parte dela tá feita, agora é deixar a Mia assimilar tudo isso e ver no que vai dar. Acho super digno a FM tocar a vida enquanto a Mia não se decide, quem sabe assim a Mia sente que ñ é tão "dona" do pedaço, que pode perder a FM e toma uma atitude! Isso ae FM, faz a vassourinha mesmo kkkkkk aff... vai ficar esperando; por algo que talvez não venha; até qndo?

Nonô cadê vc hein?! Não poooooode sumir desse jeito, ficamos com saudades... Delicinhaaaaaaaa, voltaaa logo rs ;*

Lu disse...

Meu, que deprê! :(

Monica disse...

tah certa a FM


vai biscatear um pokim pra manter a cabeça ocupada...


brilliant!

Anônimo disse...

Tenho sintomas de bad iguais aos da FM.

Dea disse...

deprê, MESMO! mas essa FM não me engana. ok que ela só precisa de alguém que a leve pra casa... senta lá.

Anônimo disse...

apesar de compreensivel e coerente a atituda da TGFM não vai dar o que ela quer/precisa: uma resposta de Mia. E talvez nem Mia nunca saiba ou queira dar. Sim ou não? Essa é a busca da TGFM. Muita coisa acontece, um asaga pra nossa heroína, mas percebo que tudo se resume a isso: sim ou não?
Então, independente da resposta, nada do que se suceder será mais imprevisivel a meu ver. O será que dona Mel vai me mostrar o qto estou enganada? (e não seria a primeira vez nos contornos no FM).
Sou muito fã.
Amo.
Bjs
Ju T.

pam disse...

oie! eu sou nova aqui então espero receber as boas-vindas ;D. primeiramente eu gostaria de dizer que esse blog é mt viciante! pra vcs terem ideia ontem eu eu passei oito horas em frente ao meu pc e quando finalmente o desliguei bateu aquela dor de cabeça e eu percebi que estava praticamente cega rsrsrs. enfim eu passei aqui só pra dizer que porra Mel posta logo ou faz um livro dessa historia pra eu poder matar essa curiosidade fdp que não me deixa dormir!! vlw bjos (sem segundas intenções afinal eu sei que é só ficção) ;)

'duuda disse...

a lei que proibe alcool e direção deveria conter uma observação que também proibisse o álcool com o celular, porque vou te contar, o estrago é tão grande quanto!
HAHAHAHAHAHA adorei o post!

Anônimo disse...

OMG FM, don't fuck your life !

Nossaa, oi Letícia ! :P

Anônimo disse...

Mel, quando tem mais post? só semana que vem? :(
Esse não é suficiente até lá :(

( the girl fucking Mia ) disse...

Nãão... já vai, já vai! ;) ;*

Anônimo disse...

falta quantas músicas pra sai a nova trilha sonora?

até que enfim a FM tomando uma atitude... post perfeito

Pam disse...

eu achei outra musica dos beatles que combina com a historia:

I don't like you
But I love you
Seems that I'm always thinking of you
Oh, oh, oh
You treat me badly
I love you madly
You've really got a hold on me
You really got a hold on me, baby

I don't want you,But I need you
Don't want to kiss you
But I need to
Oh, oh, oh
You do me wrong now
My love is strong now
You really got a hold on me
You really got a hold on me, baby

I love you and all I want you to do
Is just hold me, hold me, hold me, hold me
Tighter. Tighter

I want to leave you
Don't want to stay here
Don't want to spend
Another day here
Oh, oh, oh, I want to split now
I just can't quit now
You really got a hold on me
You really got a hold on me, baby

I love you and all I want you to do
Is just hold me please, hold me squezee, hold me, hold me

You really got a hold on me
You really got a hold on me

( the girl fucking Mia ) disse...

Adorei as sugestões, Pam! Thaanks :) E já tem 11 músicas na OST 3, faltam só mais quatro e aí fecho a próxima edição... já tenho algumas programadas também, hehe

Anônimo disse...

"_Então, pensei sobre aquele beijo... - menti.

Na verdade, não."

"Na verdade, não." o que? Ela não havia pensado sobre o beijo ou ela não havia mentido?

kkk.. sei lá, fiquei meio na dúvida agora.
:S

Ótimo post Mel
s2

Pam disse...

quais são todas as musicas que tem nos dois cds da trilha sonora do fuckin' mia? eu quero baixar mas quero saber o conteudo primeiro. vlw :D

Marina disse...

Pam, baixa daí vc ve de qual gosta.

Anônimo disse...

Sinceramente, acho que a FM tem que voltar a pegar geral ! haha
Na fase que eu to passando não vejo motivo nenhum pra qualquer envolvimento emocional! hahahaha

CAMPANHA FM FUCKS EVERYBODY ! haha