- »

janeiro 13, 2012

Eleuteromania

Minha índole e o infeliz órgão pulsante que habita meu peito sempre tiveram maneiras muito distintas de conduzir suas respectivas existências. Este segundo é absolutamente aleatório, irracional. Acelera nas piores situações, com as menos desejáveis garotas, as menos propícias para mim, me prega peças constantes. Finge que não quer e aí ressurge, sempre ressurge. Desgraçado. A primeira, a minha índole, já não. Esta sempre se comportou dentro de uma lógica bastante errada, mas – e eu não vou entrar no mérito do quão errada – no fundo, já não me surpreendia mais.

Nunca liguei para garota nenhuma, sempre me dispersei e com consciência. O que eu sentia pela Clara naquele momento, porém, era muito parecido com o relacionamento mal-resolvido e sadomasoquista que sustentei por anos com a Dani – e que muito provavelmente ainda ia sustentar por muito tempo na minha vida. Ainda que não me apaixonasse por este tipo de garota, das que iam e vinham na minha cama de tempos em tempos e permaneciam imutáveis, elas me fascinavam. Simplesmente não conseguia evitá-las. Me sentia atraída pela ausência (ou promessa) de romantismo, de boas maneiras. De regras. Éramos cruas, narcisistas, soltas, sempre metidas numa incessante disputa de egos – que às vezes me esgotava –; e o sexo era fenomenal. Eram meus relacionamentos mais sinceros, mais divertidos.

Contraditoriamente, eram estas as garotas com as quais eu sentia absoluta liberdade em ser carinhosa. Com as quais eu podia fazer todos os lances bobos de casal, engasgados dentro de mim – reprimidos graças às péssimas escolhas do segundo, o infeliz órgão pulsante –, sem me preocupar com o efeito que isto teria nos sentimentos delas. Nos entendíamos silenciosamente. Não nos dávamos (pelos mesmos motivos) com o restante das meninas, ávidas por amores repentinos, e nos usávamos em contrapartida. Não tínhamos e nem nunca tivemos a intenção de namorar, nenhuma de nós amava uma a outra. Cada qual levava, sozinha, a sua própria vida. Os seus problemas, os seus relacionamentos. Mas nos gostávamos continuamente como quem gosta de um amigo que te entende. Por dentro, pela mais obscura verdade. Resumindo: não nos precisávamos, apenas nos queríamos – e há uma boa diferença aí.

O que não quer dizer, claro, que fosse um mar de rosas. Não é. Ainda somos garotas, after all, e garotas – todo mundo sabe – sofrem de uma dependência crônica por drama. Ainda mais garotas como nós. Obviamente nos trombávamos. Invariavelmente. E a lista nada modesta ia de discussões na madrugada, brigas, ciúmes, traições, algumas doses a mais até sinceridade, excessos, drogas, sumiços, hematomas, cenas dispensáveis, provocações, surtos, crises existenciais, lances realmente pesados no meio do caminho. Não tínhamos limite e nem quem nos controlasse. Não tínhamos relacionamentos saudáveis à parte para nos colocar de volta no chão. Acabava que nós dávamos sempre um jeito de nos encontrar, violentamente, e de nos relacionar com uma intensidade desproporcional, nos usufruir sem pensar a respeito ou moderar. E inevitavelmente, no final, alguém saía machucado – mas não o suficiente para que impedisse uma próxima vez. Como eu disse: minha índole, em toda sua lógica subconsciente, não conseguia evitá-las.

Mas agora não era tempo de pensar sobre isto. Ainda não. Não naquele fim de tarde, lento e ocioso, naquele domingo calmo; trancadas, dentro do meu quarto mal-iluminado e de propósito. Deitada ali com a Clara há horas – lhe fazendo carinhos despreocupados, dando voltas a esmo pela superfície do seu corpo descoberto apenas com as pontas dos dedos. Hum. Ela fumava um baseado, o resto do que eu apertara na madrugada anterior, e observava o teto. Os braços atrás da cabeça apoiada. Já eu, deitada de barriga para baixo, viajava ao seu lado. Passeava com uma das mãos pelos os seus contornos, magnificamente delineados. E ríamos, sem motivo. Cara, eu já estava realmente chapada. Mas, numa brisa boa, um tanto fora da realidade. Pelas horas enfurnada ali, com ela. Sabe aquele sentimento pueril? De que não existe (e não existia) nada além do quarto.

Alguém bateu na porta.

Ergui a cabeça num susto e olhei para a Clara, que me olhou de volta, rindo. Nos interrompendo, à realidade. Levantei a muito contragosto, resmungando qualquer coisa sobre provavelmente ser o Fernando vindo me encher o saco, e procurei o mesmo blusão de algumas horas antes. Estava largado no chão, o vesti. Me cobria até quase metade das coxas, então não vi necessidade em achar meio à bagunça também a minha calcinha. Fui assim abrir a porta e encontrei, de fato, o Fer. Do outro lado e já ligeiramente bêbado, simpático, com um cigarro na boca.

_Fala – eu disse, curta e grossa, roubando o cigarro sem pedir e dando uma tragada.
_Então, estamos... jogando cartas, eu e a Mia... – o devolvi, enquanto ele falava – ...vim ver se vocês não querem jogar, a gente queria fazer uma rodada em times.

21 comentários:

Monica disse...

só eu acho que a rodada em times foi ideia da Mia?

fortes emoçoes no prox cap? tomara

Ma disse...

"A gente queria" me parece muita gente. Mia com cara feia de novo? Ou Mia também bêbada e dando na cara que tá incomodada? Hahahaha
FM chapada + Mia bêbada = :O
Eu amando a cena! Hahahah

(NO PRÓXIMOOO ELA VOLTAAAA!!! *-*)

Ivett disse...

A porra ficou séria!

T disse...

Tô sentindo a volta da Mia... Só espero que a Clara não seja tão espertinha como a Dani a ponto de perceber o que rola entre as duas. QUERO TROCA DE OLHARES, E, SE POSSÍVEL, QUE MIA E FM FIQUEM SOZINHAS. *Me animando.* Vou viajar hoje, o jeito é acompanhar o blog via celular... Não demora, Mel. :(

c' disse...

o ressurgimento de mia das cinzas. Na perca, cenas dos proximos capitulos. Ai gnt adoro.

Anônimo disse...

Continua!!! Pelamor de gosh!!!
Como que você para, assim, do nada???
Quero ver a coisa pegar fogo!
FM chapada + Mia bebada = :O (2)

Dea disse...

antes de dizer que "isso não vai dar certo", devo dizer que esse foi o meu post preferido do ano. que análise psicológica incrível de si própria, que escolha de palavras, pontos e vírgulas; quanta inteligência e perspicácia num simples post de blog, Mel. você me surpreende, sabia? e eu adoro isso! tou morrendo de saudade de você, tsc.

pronto: isso não vai dar certo... e eu não vejo a hora de desandar, hahaha!

Anônimo disse...

Todo mundo focado na rodada de cartas (futura) e eu aqui babando pela análise da FM sobre os relacionamentos dela.. e pra variar eu ainda tava lendo Black Leather (na minha opinião combinou super bem). Bom Mel você é FODA! Melhor post do ano +1 (até agora).

Bom, pra mim a Mia jogou um verde pro Fer, e ele caiu feito um patinho e convidou as duas pra jogar cartas.. Aposto que vão ser inúmeros olhares! kkkk

Adoro a filha putice da FM, e tenho dito!

Lu disse...

Mel,

Q post sensacional! Essa pausa pra auto-análise chegou como uma luz! Perfeito desde o título!

Anônimo disse...

que post lindo cara *-*

Loop disse...

Gosto muito de ler (Livro, revista, blog, jornal, bula...qualquer coisa) Mas to pra encontrar alguém que escreva tão bem quanto a Mel.

São tantos detalhes, é como se você tivesse no mesmo lugar dos personagens, assistindo tudo acontecer. PARABÉNS!

(e to aqui esperando pela rodada de cartas, to adorando essa volta da Mia)

Anônimo disse...

La ve ma mel ai gente................
Mel vc eh sensasional. sou sua fa. d carteirinha.........
e quer saber......... me achei parecida com a FM agora.......
AFF. sera q eu sou tao folha da puta assim?

Anônimo disse...

Mas como assim?? Como disseram, deve ser ideia da Mia mesmo... Tô vendo que isso nao vai prestar, hahaha.

Bianca disse...

hahahha esperando ansiosamente (por mais bizarro que pareça) um daqueles barracos típicos da MIA!! MEL♥

Pathy disse...

Mano que análise da FM.. fantástico!!♥

E jogo de cartas com FM chapada e Mia bêbada? e ainda a Clara bancando a sei la o que da FM.. vixe, vai ter babado, confusão e gritaria. HHAAHAHAHHAHAHA


Mel que post fodaaaaaaa!! (L)

Anônimo disse...

E mais uma vez...FM, Clara e Mia

humm...esse carteado promete.

Ianca' disse...

Sem confusion por favor hahahaha
Quero ver o resultado disso, times ein, eu seeeeeeeeei!
Quero mais bora!
Ooooh, a Mia voltoooou ♪

Anônimo disse...

Cara, curti esse post, muito pelo conteúdo e tbm pelo o q pode vir...
*-*

'duuda disse...

VEM MIA! HAHAHAHAHAHAHAHA
quero mais, mel!

Anônimo disse...

Strip poker \o/

Anônimo disse...

O que você acha da idéia de postar o cd feito pra mia?? Curiosidade a mil pra ouvir as preciosidades que tem nele *-*