- »

março 09, 2010

"Pode vir quente, que eu estou..."

O Fer passou pelo corredor, assim que entrou em casa, e nos viu paradas em frente à porta do meu quarto, ali, dando bandeira. Ele parou e nos encarou desconfiado. A Mia foi cumprimentá-lo – com um beijo, argh – e eu fiquei olhando-os, resignada à minha insignificância total, enquanto o Fer me observava cheio de suspeitas por de trás da Mia. Que triângulozinho de merda, eu revirei os olhos e encostei na parede, olhando para o chão, na tentativa de ignorar toda aquela cena.

Ambos começaram a conversar num tom introspectivo, me excluindo totalmente do assunto, então eu resolvi dar início ao consumo das cervejas recém-compradas – antes que elas acabassem ou que aquela situação constrangedora me sufocasse ainda mais. Passei pelos dois, me virando contra a parede do corredor, e a Mia me olhou com um nítido pesar na consciência. Ah, essa vai ser uma noite longa, pensei, já me conformando com as próximas horas. Entrei na cozinha e peguei a primeira das muitas loiras que eu pretendia agarrar, voltando logo em seguida para o quarto. O “Casal 20” ficou lá, no sofá da sala, se amando. Inferno.

De alguma forma, o meu quarto agora parecia pequeno demais para todos os meus pensamentos. Era como se as paredes não fossem suportar toda aquele tráfego mental massivo e isso me causava uma certa claustrofobia. O pior é que eu acabei indiretamente restringida àquele lugar. Sem muita opção, acendi um cigarro – óbvio – e me sentei na frente do computador.

Entre um gole e outro, liguei o MSN e me deparei com inúmeras mensagens offlines da Roberta. A aquela altura do campeonato, eu já havia me esquecido da noite de quinta. Por um momento, me ocupar com alguma garota qualquer me pareceu uma boa idéia, mas logo me convenci do contrário. Preciso aprender a me controlar, raciocinei e desisti. Além do que, eu não queria realmente submeter a Roberta ou qualquer outro casinho meu àquilo, de novo. Não seria justo.

De repente, ouvi alguém bater na porta. Fiquei parada por um instante, antes de me levantar. Eu não sabia o que era pior naquele momento: me deparar com o Fer ou com a Mia. Respirei fundo e fui abrir, sem querer realmente descobrir quem estava do outro lado e por quê. Que se dane, eu pensei e virei a maçaneta.

Era o Fer.

8 comentários:

Lu disse...

Apesar de não ter demorado desta vez, não refrescou muito a situção... Continuo aguardando o próximo post. Ta´ótimo!

Anônimo disse...

xiii...o bixo vai pegar! kkkkk

Beatriz disse...

Aaaahh :(
Fiquei curiosa agora...

Beijo.

Rodrigo Emanoel Fernandes disse...

Assistiu um filme canadense lindo chamado "Quando a Noite Cai"? Numa das últimas cenas o namorado abandonado topa com uma garota nova que, a platéia adivinha, vai acabar sendo o amor da vida dele... a vida continua e todos ficam felizes... completamente fora da realidade, claro, mas dá uma sensação tão boa, rsss...

É esse o final que estou imaginando para o Fer. ;)

Beijo...

Lu disse...

Aposto q a Amanda vai matar o Fer de novo! :)
Mel, não mata ele não...

Anônimo disse...

Dona moça... faça isso não!!! é sofrimento demais pra essa leitora aqui... ai meu Deus!!
Demore não!!!

Mari disse...

E a tensão se instala...

RaahXD disse...

Ain posso falar? ADOREI a ideia do Rodrigo e tipo como sou uma boa pessoa,dona de um lindo coração e tal T1
Eu faço esse humilde sacrifício de ser essa garota pro fer =)
(EU viu dona #noellyhot EUzinha(: )
HAUHAUHAUAHUHAUHAUHUAHUAHHAUH
e ah, tadinha da Roberta meu, ala se quiser e pah, pode passar meu msn pra Rô 8-)