- »

novembro 02, 2010

Matemática

É simples assim... Quanto mais escuro, maior a estática entre as duas. Um corpo busca o outro, às cegas e, portanto, em constante estado de alerta – naquela expectativa entorpecente de, enfim, encontrar. A qualquer momento, minha respiração falhava, oscilando entre uma batida e outra da caixa de som, e meus olhos abertos encaravam, perdidos, a ausência completa de cor, de formas, de Mia, à minha frente. Sentindo a presença dela – apenas – nas mínimas partículas de ar que separavam o seu corpo do meu.

Escuro. E quanto maior a quantidade de álcool no seu sistema – pelo motivo mais óbvio –, pior é o cálculo. Maior ainda é, então, a imprevisibilidade do encontro. Solta no espaço, no breu, no vazio, à espera de seja-lá-o-que-vier. Mas vem... ahh, se vem, pensava. O importante era que vinha – se vinha –, não quando e nem de onde. Isso não dá para calcular. A sua cabeça não está em condição de pensar e aí, em contrapartida, compensando a falta de raciocínio, a sua pele é tomada por uma ultra-sensibilidade. À espreita, dominada pelas extensões alucinantes do momento imediato. E quanto mais arriscada a porra da situação, mais longos são os segundos. O seu coração bate inevitavelmente mais rápido e o sangue se esvai das suas extremidades com uma rapidez maior ainda. É... o escuro.

Meus dedos – frios –, à mercê dela, seguravam o seu rosto morno e delicado e desenhavam-no na minha imaginação. Pouco a pouco... cedendo espaço... lentamente, no escuro... sentia-a vindo cada vez mais na minha direção. Até que as suas mãos encontraram os meus ombros. Vieram leves, escorregando pela minha camiseta e – enquanto o meu coração disparava, uau! – subiram quase íntimas pelo meu pescoço... cruzando-se brevemente atrás, na minha nuca, depois soltando e continuando a deslizar pela minha pele acima.

Subiu por mim. Seus dedos ultrapassaram o meu cabelo e, em seguida, contornaram a parte debaixo das minhas orelhas, passeando continuamente pela lateral do meu rosto... até encontrarem os meus lábios, correndo-os de leve e depois voltando para as bochechas, me fazendo arrepiar – ali parada, estática, e ansiosa. Terrível. Terrível e delicioso. Segurou-me por fim, com uma mão em cada lado da minha face. Podia senti-la movendo-se no escuro, mas não via nada. Absolutamente nada. Mas, de alguma forma, eu sabia. Ahh, sabia. Pura iminência. E, de repente, antes de qualquer outra parte do seu corpo, a sua boca encontrou com o canto da minha.

Senti a sua blusa amassando-se contra o meu corpo, na minha camiseta de algodão, e os seus lábios deslizaram pelos meus, se acertando delicadamente. Havia mãos demais entre os nossos rostos – duas minhas, duas dela – e pouco espaço entre nós. Quis dar-lhe passagem, então desci as minhas. Contornando vagarosamente a sua silhueta, no escuro, até alcançar a sua cintura – minha parte favorita (ou uma das...) – e, com um gesto terno, trouxe-a para mais perto ainda.

A sua boca abriu a minha e, simultaneamente, as suas curvas se moviam sinuosamente sob os meus dedos. Porra. Eu sentia a minha cabeça se perdendo, afundando no seu gosto, no seu cheiro, e naquela vontade incontrolável – agora realizada – de tê-la comigo. A sua língua sincronizava-se com o meu ritmo...  me deu um calor violento, caralho, senti toda a minha falta de controle latejar em cada célula do meu corpo. As suas mãos me apertavam cada vez mais, as minhas a ela.  E estávamos, enfim, respirando juntas; meu pulmão contra o dela, nossos peitos apertados, abraçados, nos movendo em perfeita simultaneidade, os rostos e corpos oscilantes, nossas bocas molhadas e as mãos cada vez mais quentes, de um lado pro outro naquele enrolar intenso.

Coloquei-a de volta contra a parede e abri caminho entre as suas pernas com o meu skinny jeans surrado. Meus Nikes esbarravam nos Converses dela, nossas coxas se enroscavam, os zíperes roçavam um no outro. Os seus dedos correram para a parte de trás da minha cabeça, entrelaçando-se nos fios do meu cabelo, e as minhas mãos desceram até os bolsos de trás da sua calça, segurando-a, enquanto eu a beijava com toda a força.

Anônimas, as pessoas passavam por detrás de nós duas, trombando vez ou outra com a gente naquele breu absoluto. Os braços da Mia subiam agarrados pelas minhas costas e eu a apertava mais ainda contra mim, a cada empurrão mínimo de corpos alheios – minha mão ainda nos seus bolsos. A sua boca desenhou, então, um caminho lento pela lateral do meu rosto, descendo pela minha pele, percorrendo o meu pescoço. Senti vontade de lamber o seu corpo, o meio das suas pernas, de colocá-la de vez contra a parede. Meu coração estava saltando pela minha boca, engasgado na minha garganta, e as minhas mãos subiram até enfiarem-se no meio dos seus cabelos. Esbarrei o meu rosto no seu, apoiando-me contra ela, e encostei os lábios no seu ouvido.

_“Baby, you make my heart beat faster. I know.” – sussurrei para ela, como se cantasse a música que ela havia perdido para mim, e as suas mãos me puxaram mais ainda para si.

Os seus beijos se tornaram mais intensos, sua boca voltou para a minha e minhas pernas, metidas e intercaladas entre as dela, já quase a sustentavam na parede. Minhas mãos a seguravam contra mim, levantando-a na minha direção, e seus pés apoiavam-se apenas de leve no chão. Com a vontade que eu estava, era capaz de erguê-la até os meus ombros, colocando cada uma das suas coxas ao redor do meu rosto. O mero pensamento me fazia enlouquecer... puta que pariu. Que vontade de te levar para a cama, garota.

(...)

35 comentários:

gabi disse...

Não sei te dizer mas acho que devassa ta perdida . A Sintonia ta dizendo isso.Cada dia mais gostando de TUDO que se diz dela e da Mia juntas.
E acho isso bom pra ela,porque eu acho que ela precisava desse 'alguém'.

@giiturioni disse...

Já pode morrer?

L disse...

Meeeeeeeo Deeeeeeeeus
Morri
eoeiheuiheoiuehoeiueh
Cada dia mais viciada nessa história.. Mal posso esperar pelo próximo post. *-*
Parabéns, Mel!

Anônimo disse...

Nossa Mel, você escreve muito bem. A forma como você descreve os lugares e as situações...
Na boa, você me fez apaixonar pela Mia (6'
isuahisahsiauhsiauhs
Parabéns, Mel!

Anônimo disse...

Começar o dia com um post desses é pra inspirar qualquer um! Muito bom, Mel!

Cout disse...

OMG

Pra matar qualquer ser humano as 10:30 da manhã.

Nunca pensei que a Matemática poderia ser tão interessante hahaha.

Perfeito.

Dê disse...

Meeeeel, valeu mto a pena esperar pelo post... super entendo q ñ tens tempo e q tu ñ tem como se dedicar exclusivamente ao blog, então sem cobranças de posts novos... tá tudo perfeito no texo, a descrição dos detalhes me fez faltar o ar umas 4x facinho, elas estão cada vez mais perfeitinhas juntas. Já posso querer viver um poliamor com elas? Hahahahaha
Aaaaaaaaaah e como o bom filho à casa torna, seja bem vinda de voltaaaaa... sua lindaaaa.

Ana Zamur disse...

Acompanho o blog desde quase o começo dele, mas fazia um tempo que não comentava nada..

Esse post merece. Caralho, fiquei sem ar quando li! hahahaha

Muito bom mesmo, Mel. Descrições envolventes. =)

Cris Ferreira disse...

Como já disse.. Não sei se te amo, ou se te odeio! xD

Morri *-*

Criss Hush

tammy disse...

puta que pariu!

Ianca' disse...

Aaaah eu passando mal aqui lendo esse post e minha mãe sem entender minha aflição, sofri arrepios compulsivos inspontâneos aqui cara!
Elas tem uma sintonia, nossa, se procuram, mais parece que nasceram pra ficar juntas.. morri lentamente, e que descrição é essa? Quer acabar comigo?
Valeu pela dedicação...
Aaah, como eu amo a Devassa ♥
Até o próximo ;)

catarina disse...

Já pode morrer? +1
Caralho, a devassa só pensa em sexo. DUSAHDISHADIUHSADIUASHDIUASH. Mel, para de demorar pra postar, poxa... Eu venho aqui todo dia pra ver se tem algo novo. )))):
Sei que é impossível postar TODO DIA, mas sei lá... Oww ):
Enfim, quero logo saber o que vai acontecer. Continua, meu. Vou ficar louca. ):

Cah88 disse...

Mel você é triii PHoda *---*

R. disse...

*-*

estou sem palavras, mesmo

sabia que no meio de tanta ecologia surgiria algo bom haha
and as I said before: welcome back ^^

Rayssa disse...

noooooooossa!!! nao sei o que comentar ;S cansei de falar que a mel arrasa u_u


IPC: #NoellyHot vemk 999

- Tucca disse...

Caralho, faleci.
Descrição perfeita no post, parabéns Mel *-*

( Gih ;p) disse...

Puta que pariu. Que vontade de te levar para a cama garotaque escreve bem desse jeito!
Porra Mel! MOrri!

Talita disse...

A descrição dos detalhes foi completamente perfeita Mel..
tava com sono aqui ate acordei..rs

Betty Gibbons disse...

humm...nossa q delícia...
amei mel, vc é foda mesmo...
demais!

J.Lee disse...

Que mancada Mel, nos deixou esperando por muito tempo!!!
Essa sintonia das duas, essa vontade que as envolve é contagiante. Preciso encontrar uma Mia pra prender contra a parede com meu converse.
Adoro cada vez mais esse blog. É a pura personificação de um desejo que poderia acontecer todo o tempo com a gente.
E quem lembra do Fer nessas hora, né? Nada supera duas meninas se pegando nervoso contra a parede de uma balada. haha

(Necessito de mais)=D

cigarrosdebaunilha disse...

PUTA QUE PARIU.

Já pode morrer? +2

Duds disse...

OMG! morri, sério!
estou completamente apaixonada pela Devassa! <3

'duuda disse...

já pode morrer? [+1
hahahahaha
demais, mel *-*
mas poxa, não demora mais tanto assim pra postar, que desespero cara! :B

beijobeijo

Monica disse...

kkkkkkkkkkkkkk

toh ligadaa nesse desespero da FM...

dia desses fuii eu... no portäo de ksa...

e os vizinhos viraam... tenho certezaaa :$

beijjjj

Marina disse...

melhor do q as famosas escapadas furtivas para o banheiro
(não q eu jah tenha feito, nem q seja um bom lugar pra isso =P)

Pathy disse...

FDS sem net em casa..
Aí neh, chego no trampo atrasada, do uma adiantada aqui nas coisas e venho verificar se tem post novo.. e não é qe têm?!!rs
Vim lê e Pqp, Caralho.. vc quer me matar a essa hora??!! Velho.. qe descrição perfect!! Essa mel tá me surpreendendo a cada diaa.. e sem coment's pra devassa.. sou fã dela!!hehe

P.S.: Bem vindaa de voltaaa!! \0/ \0/

Bruna disse...

Diria que é BEM familiar essa cena, hennn?!! =P

Gostei!!!

Gostei de ontem tbm,até quinta! =D
bjsss

Ed disse...

Carambaaaaa, depois de um feriadão maravilhoso, e sem net em casa. Chegar nessa quarta com cara de segunda, e me deparar com este post.

Subindo pelas paredes 8 x,kkkkkkkkkkk

mais, mais, maisssssssssssss...MEuL

Abalou as paredes,rsrsrs

@Edflavia_ems

Mariana disse...

Ui.

Anônimo disse...

Ia fazr um comentario no post mais essa bruna em... sortuda!!! rsrs otimo post, mel!

Carolina disse...

Já pode morrer? +4
PERFEITO!!! *-*

Anônimo disse...

Post detalhadamente perfeito e envolvente!
Impossível ler menos de três vezes.Íncrivel!

Dea disse...

olha essa Bu pagando de íntima, mano, hahahahahaha! também adorei ontem! queria ter ficado mais pra chorar junto no filme. pq eu ia ter chorado, pode ter certeza! enfim, li quatro posts de uma vez e, de novo, sem palavras. adorei o Heterofobia Alcoólica e dei umas boas risadas com a parte que você fala da república das meninas pseudo-artistas, haha. acontece na vida, acontece nos contos, acontece no Fucking Mia!

Ivett disse...

É...prefiro não comentar...
TAQUIPA *_*

Anônimo disse...

E este tbm! Muito amor