- »

fevereiro 22, 2010

Metáforas

Sabe quando você decide o que quer de Natal e ainda é julho? E, então, você espera até agosto e aí vem setembro e depois é outubro e após muito tempo chega novembro? Pois bem.

Dezembro. Você se acalma, acha que está quase lá, mas daí vêm aqueles 24 dias lentos de verão que parecem não passar nunca... Dia 01, 02, 03... 14, 15, 16... 21, 22, 23... Chega o dia. Sua mãe coloca os presentes embaixo da árvore e você olha um por um, até achar o seu, e nota que a caixa é exatamente do tamanho do seu desejo. Maravilha, você pensa, por um instante, mas na verdade você está sofrendo: sofrendo de uma antecipação cruel, muito cruel.

O resto da família chega aos poucos. Vocês conversam, por horas, e o presente lá. Vocês começam a colocar tudo na mesa, na velocidade de uma tartaruga manca ladeira acima, e o presente lá. Vocês jantam, prato por prato, e o presente lá. Aquela porra não acaba nunca, você já está quase socando a comida estômago adentro, e o presente lá. Vocês saem rolando da mesa, enormes, e aí o babaca do seu tio resolve reunir todo mundo na cozinha para algumas piadas idiotas... e o presente lá.

Eis que surge o Papai Noel, aquele bem-feitor desgraçado filho de uma égua que não pára de falar. Pirralho por pirralho, até o fim daquela sacola imensa, e o presente lá. Você não está mais se agüentando, já perdeu toda a paciência, não consegue mais se segurar de ansiedade e a sua mãe tem a pachorra de lhe dizer que os pacotes embaixo da árvore são só para “depois da meia noite”. São dez e meia. Você perde a cabeça, grita com a sua mãe, diz que vai abrir de qualquer jeito e a família inteira te condena. Mas que droga. Onze horas e o presente continua lá, te chamando... te seduzindo... te provocando... te deixando louco.

Você espera uma eternidade para olhar novamente no relógio. Onze e meia. Arghhh! Onze e quarenta. Onze e quarenta e cinco. Onze e cinqüenta. Onze e cinqüenta e cinco. Onze e cinqüenta e seis. Onze e cinqüenta e sete. Onze e cinqüenta e oito. Onze e cinqüenta e nove... Onze e cinqüenta e nove... Ainda onze e cinqüenta e nove? Onze e cinqüenta e nove, onze e cinqüenta e nove, onze e cinqüenta e nove... Onze e cinqüenta e nove. O minuto mais longo da história se prolonga irritantemente, você olha de novo as horas e... São onze e cinqüenta e nove, ainda.

Puta que pariu.

6 comentários:

Artemis disse...

Elas estão no sofá,passa um tempão e elas ainda estão no sofá,puta que pariu!
*Essa é minha agonia para chegar ao paraíso!:P*
Ou...
Elas estão nas preliminares,fico dias esperando pelo momento e elas estão nas preliminares... passaram-se tanto tempo e elas,ainda, estão nas preliminares,puta que pariu!
ahahahahahaha Adooooro preliminares!*-*
PS:Deusa da agua e Artemis são a msm pessoa!;)

Cris. disse...

Eu já gostava do seu blog...
Mas depois desse post metáforas.. Eu gamei de vez!! Eu amo quem sabe usar de maneira adequada essas sutilezas! *.*

Enrolandopra ler o outro post pra ele durar mais! =x

Beijo.

F, LM. disse...

Desculpe-me a sinceridade mas esse foi, sem dúvidas, o melhor post do blog.

Totalmente a favor de metáforas (embora, as vezes, só uma frase bem literal mesmo!) hehehe

Juliana disse...

Haaaaaaaaaaaaaa comoo eu amooo o natalll!!!!Heheheheh!!!Tá quase acabando o meu chocolate quente!rs

Lu disse...

Mel, acho q este foi um dos posts mais cruéis q já postou! Muito bom... remeter ao natal e à espera dos presentes e nos fazer sentir isso, foi excelente! Quer saber, vou fazer uma pausa aqui...
Muito bom mesmo!

Camyla disse...

Nossa, eu sofri lendo esse post (de novo), E O PRESENTE LÁ! o_o
Acho q foi o melhor uso de metáforas q já vi na vida ><