- »

fevereiro 18, 2010

No escuro

Ficamos quietas ali, pelo o que me pareceu uma eternidade. Todas as luzes apagadas. A Mia tinha arrumado os colchões no chão do seu quarto – o meu estava ao lado da sua cama – e as outras duas garotas capotaram numa rapidez que era possível apenas depois da quantidade de cerveja consumida nas horas anteriores. É. Exageramos. Eu estava igualmente bêbada, mas o meu coração não me deixava dormir, acelerado. Restava agora saber se o álcool teria o mesmo efeito na Mia que teve nas amigas. Ou se como eu, ela também não conseguia fechar os olhos.

Esperei. Não posso parecer desesperada, pensava. Então continuava deitada, olhando para a luz que vinha da janela. Os minutos se prolongavam. É silencioso aqui, estranhei. Estava acostumada com o meu quarto na Frei Caneca sendo invadido todas as noites por ruídos de carros e porraloucas que ocupavam os bares da Augusta. A calmaria de bairros residenciais me inquietava. Eu me sentia como se fosse adolescente de novo, deitada no meu quarto, nas ruas excessivamente tranquilas de Santo Amaro.

Ouvi um barulho. Do nada, como se alguém estivesse se mexendo no escuro, na minha direção. Olhei para cima e não havia nada. Nada dela, nada de Mia. A sua cama continuava a mesma, a poucos centímetros acima de onde eu estava deitada. Estática. A única coisa que notei é que agora a mão da Mia pendia no ar, sobrando para fora do colchão. Ali, parada, quase em cima de mim.

Fiquei observando os seus dedos por um tempo. Contemplei a forma como a luz que vinha da rua tocava a sua mão discretamente. O meu coração acelerou. E me senti idiota, como se estivesse na terceira série e quisesse pegar na mão de uma garota da minha classe. Sabe aquele medo infantil e bobo? Pois é. Parada, imóvel, olhando para a mão dela. A que ponto eu cheguei, suspirei. E engoli toda aquela ansiedade irracional. Eu posso fazer isso, porra. Levantei o braço lentamente e segurei a sua mão.

_Você está acordada? – ouvi ela perguntar de repente, baixinho.
_Estou... – sorri, ainda sem vê-la.

Ficamos em silêncio por um tempo. A sua mão entrelaçada na minha no escuro. Até que tomei coragem e me levantei. Sentei no colchão, prestando atenção se alguma das outras garotas se movia, se haviam me ouvido. E sem fazer o mínimo ruído, subi na cama da Mia. Me deitei ao seu lado e os seus olhos me encontraram no escuro. Ela se moveu para perto de mim e apoiou a cabeça no meu ombro, enquanto eu colocava o meu braço ao seu redor. As nossas mãos se entrelaçaram de novo. Eu a olhava e ela sorria, com o cantinho da boca.

_Gostou de ter vindo aqui? – cochichou, o suficiente para que apenas eu escutasse.
_Muito... – respondi; nós duas conversávamos lentamente.
_Talvez você devesse vir mais vezes...
_Eu venho.

Ela sugeriu e eu respondi, descendo a mão pelo seu rosto, admirando-a.

_Você... – sussurrou – você faz eu me sentir... estranha.
_Estranha?!
_É. Sei lá. Fico nervosa quando estou com você...
_Eu também – confessei.
_Mas é diferente. Eu... sei lá, eu me sinto como uma criança, às vezes.

Comecei a rir, em silêncio, e ela me perguntou o que era.

_É que eu estava pensando nisso, cinco minutos atrás.
_Você? – ela me olhou de volta; eu conseguia ver apenas alguns de seus traços no escuro – Por que?
_Porque eu queria segurar a sua mão e não sabia como. É ridículo.
_Mas agora você já está segurando...
_Agora eu não estou mais nervosa.

Ela me olhava atentamente e eu me aproximei, tentando não fazer barulho. Encostei a pontinha do meu nariz no dela e fui virando o rosto lentamente, como se deslizasse pelo seu. O breu escondia os nossos movimentos. Foragidas. Senti a sua respiração morna sobre a minha pele e fechei os meus olhos. Até beijá-la.

É. Era mentira – eu estava nervosa pra caralho. 

20 comentários:

Bu!! disse...

coitado do Fernando! A Mia descobriu uma das 8 maravilhas do mundo! ahahahhaa

F, LM. disse...

Olha só, no sábado por algum motivo que eu não sei qual, encontrei o seu blog. (Ou teria sido na segunda-feira?) Li todos os posts (alguns mais de uma vez) e estou aqui, todos os dias, ansiosa por saber o que vai acontecer. Sabe o que é pior? É uma coisa tão "universal", em algum momento todo mundo já se sentiu pelo menos próximo disso.

Ai, como é complicado!!

Parabéns, você escreve REALMENTE muito bem. XD

beijos

Stella Polaris disse...

:)

Ma disse...

otimo....

Juliana disse...

Hhuhauhauaha!!!!!

Ruh disse...

Tah lindo! ADORO !!!

Ketty disse...

Cada vez melhor *--*
Parabens :*

Nana disse...

Muito bom!
Ansiosa pelos próximos ;*

Cris. disse...

*.*

Larissa disse...

Nossa, muito bom mesmo!

Começei a ler o blog a pouco tempo e viciei!
Parabeens ;)

beeijos!

Mah disse...

A Mia descobriu a MAIOR maravilha do mundo (6)

mara disse...

aiii aiaii quero maisssss
posta varios de uma vez hahah
brincadeira, assim nao teria graça!!

Noelly Castro disse...

Acho que tem uma bloqueira feliz com tanto comentários..
E.. acho que tem várias leitoras felizes com tanta pegação..

ps.: aww! Tenho um carinho por este blog

Rrr!;)

ucker disse...

Nossa q fofis,amei

Ianca' disse...

Euzinha, as 3 da manhã, lendo num domingo, tendo aula amanhã de manhã, aliás, relendo e não conseguindo parar *.*

Cármen disse...

Que lindo.

Marina disse...

É claro que estava mentindo, meu hahahahahaha nervosismo.

Camyla disse...

Depois desses meses lendo o blog, eu confesso q tenho uma certa raivinha da Mia (e amo a Clarinha *-*). Mas assim, lendo tudo de novo, eu consigo entender o pq da FM ainda ser tão ligada nela. E talvez depois dessa re-leitura eu vire Team-Mia (acho q exagerei kkk'). Tem muita coisa q eu tinha esquecido! Amando ler de novo <3
É o tipo de história q vc lê mil vezes e se apaixona e se envolve mil vezes com as personagens!

@livia_skw disse...

Não lembro de ter dado muita bola pra esse post quando li a primeira vez, mas como disse a Camys, parece que quanto mais a gente lê, mais se envolve.

Esse é lindo, nhom *-*

Ianca disse...

É um dos posts mais delicados