- »

janeiro 25, 2010

Café-da-manhã


Observava as rosquinhas cor-de-mel afundadas no leite. O conjunto me parecia algo semelhante a vômito. Colocava algumas rodelas ensopadas na colher e logo despejava-as de volta ao prato. Que asco, eu pensava, enojada. O Fer tagarelava empolgado, comentando os acontecimentos da festa na noite anterior, enquanto eu o ignorava e expressava fisicamente a minha repulsa pelo cereal disposto na minha frente.

_Mano... – ele reclamou, interrompendo o assunto e rindo, indignado – Só come logo!
_Não quero comer isso.
_Você tem que comer alguma coisa, meu, senão vai ficar zoada o resto do dia inteiro...

Eu aguento, me convenci mentalmente, é melhor do que engolir isso. Argh. O domingo já estava quase no fim, mas a minha ressaca estava realmente trash. Tá. Talvez eu não aguente. Minha cabeça parecia prestes a explodir. Sentia meu corpo inteiro contorcendo-se internamente, meus olhos estavam inchados, meus braços doloridos e qualquer ruído mínimo na cozinha despertava a pior dor de cabeça do século. A culpa era toda minha, do Jameson e da vodca de 4,99.

E da Mia, claro, que estava sentada na sala. Me ignorando.

Respirei fundo e enfiei aquela gosma nojenta para dentro da boca. Mastiguei a papa mole cor-de-vômito-com-mel e engoli, o que me causou uma careta involuntária. Credo. O Fer resmungava qualquer coisa sobre como eu era “exagerada” e ria da minha desgraça. Contra a minha vontade, forcei mais uma colherada goela abaixo e senti cada pedacinho de rosquinha mastigada e diluída em leite sendo digerido pelo meu estômago, em meio aos litros e mais litros de porcarias alcoólicas que eu havia ingerido na noite anterior.

Merda, vou vomitar.

Saí correndo na mesma hora, em direção ao banheiro, e coloquei a cara na privada. O Fer entrou assustado, logo em seguida:

_Você está bem?
_Tô! Cai fora! – reclamei, engasgada, e logo tornei a vomitar.
_Puta que pariu... Não devia ter feito você comer, mas que merda. Desculpa! – o Fer se desesperou – E-eu... eu vou chamar a Mia, meu, aguenta aí!

Não. Isso não. O Fer saiu correndo e senti que ia vomitar mais uma vez, sem conseguir evitar que ele a chamasse, porcaria. Pouco tempo depois, ouvi a porta se fechando. A Mia ajoelhou ao meu lado e segurou o meu cabelo para cima. Senti a mão dela molhando a minha nuca. E aquilo ajudou. Quando eu achava que ia ficar bem, a ânsia voltou e começou tudo de novo. Os meus olhos lacrimejavam. Eu me contorcia violentamente, a cada episódio, durante uns 10 minutos seguidos. Sexy.

Tudo aquilo me deixou exausta. Encostei na parede do banheiro, sentada no chão, e a Mia me deu um pano molhado. Limpei o rosto e deixei as mãos caírem sobre as minhas pernas. Me sentia fraca.

6 comentários:

emily disse...

Parabéns, de verdade.

BOLOGUI disse...

Esta muito bom ...
Mas o nome da menina (se não me engano) era Ana Luiza no post anterior e agora vc se refere a ela como Ana Julia

( the girl fucking Mia ) disse...

Obrigada :)

E é Ana Luiza mesmo hahaha acabei de trocar, a "Júlia" aparece um pouco mais tarde na história... me confundi, valeu por avisar!

Gehh Santos disse...

Porre homérico. Parece um que tomei esses dias, hahaha

Anônimo disse...

Mel, dá um ctrl + f e procura a palavra "assutado" e corrige.
Beijão da sua revisora ;)

( the girl fucking Mia ) disse...

Hahaha, adorando! Um beijo de volta e obrigada :)